DEU NA COLUNA TEMPO PRESENTE: CASO COLOMBIANO

paulo colombiano Completou dez meses ontem que o sindicalista Paulo Colombiano, então tesoureio do Sindicato dos Rodoviários, e a esposa, Catalina Galindo, foram assassinados sem que a sociedade tenha notícias sobre os assassinos.

Apolícia diz ter certeza de duas coisas:

  1. Foi crime de mando.
  2. A execução foi feita por profissionais tarimbados, com  munição especial.

Dois outros detalhes relevantes que o inquérito já apurou: Colombiano era um homem correto e o Sindicarto dos Rodoviários é financeiramente bem aquinhoado.

O Governador Wagner está devendo essa.

Meu caro Levi, não cobre o que ele não pode pagar, lembra o caso Celso Daniel de Santo André (SP)? Deve ser algo bem parecido, o PT não tem interesse em desvendar. Coisas de PT!

2 thoughts on “DEU NA COLUNA TEMPO PRESENTE: CASO COLOMBIANO

  • abril 30, 2011 em 7:51 pm
    Permalink

    Caro PELEGRINE!

    O Caso Colombiano é apenas mais um caso de gangstrismo sindical, ninguem quer falar sobre o assunto por que todo mundo da esquerda sabe quem matou colombiano, os próprios que com ele andava. O motivo a previdência e escandalos financeiros dos rodoviários que ele tambem estava metido.
    Colombiano era do PCdoB, conheci e era meu amigo, soube do crime eu estava em Londres, fiquei estarecido, e logo fiz uma leitura da realidade, que começa nos sindicatos americanos, depois abcd paulista e por ai vai.
    Quem quer conhecer melhor sobre esta fase do sindicalismo chapa branca baiano lei o livro “Predador” de Peptela. \na LDM na piedade tem custa 25,00 R$, uma revelação da esquerda africana quando chega ao poder e trai os ideais do carisma.

    Este governo não pode apurar este crime, vai ter que prender gente sua!

  • maio 2, 2011 em 3:05 pm
    Permalink

    Márcio, gosto muitíssimo das suas colocações e concordo com você e Pelegrini – ninguém esqueceu o caso de Celso Daniel, que ficou sem apuração, pois assim como o de Colombiano, “eles” não podem/querem prender sua gente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *