“CHÔ CHUÁ, CADA MACACO NO SEU GALHO” VALENÇA TEVE E TEM GESTORES, NÃO PRECISA DE ENGABELADOR

Quando aqui cheguei em 1981, precisamente no dia 31 de julho daquele ano, Valença era uma pequena cidade com pouco mais que 40 mil habitantes, apesar de muita gente dizer que Valença não se desenvolve, 41 anos depois vi uma cidade crescer em ritmo acelerado.

Em 1981, o então governador da Bahia, Antonio Carlos Magalhães, havia inaugurado a estrada que liga Valença à BR 101, era o que de mais importante tinha no município naquela época.

Em seguida, veio o Centro de Cultura, o Centro Sociual Urbano, o Hotel Rio Una, a Cesta do Povo, O Banco do Estado da Bahia (BANEB), a Ponte Luiz Eduardo Magalhães, a Estrada de Nazaré, o asfalto do Guaibim, o Aeroporto e tantas outras coisas que não dá para relacionar.

Engraçado é que tem gente que diz que Valença só está tendo coisas agora. Deveria vir aqui sentar ao meu lado para eu mostrar o tanto de coisas que, aproximadamente, dez gestões fizeram durante esses 41 anos.

Todos que entraram fizeram alguma coisa, uns fizeram mais e outros menos, mas todos deixaram seus legados com o nome gravado na história desta terra.

O resto, é gente querendo se aproveitar da boa vontade do povo valenciano para se aproveitar da nossa bondade. “Chô Chuá, cada macaco no seu galho…”

2 thoughts on ““CHÔ CHUÁ, CADA MACACO NO SEU GALHO” VALENÇA TEVE E TEM GESTORES, NÃO PRECISA DE ENGABELADOR

  • dezembro 18, 2022 em 11:01 pm
    Permalink

    Meu caro amigo Pelegrini,

    Li o teu texto. Permita-me discordar totalmente do teu pensar, mesmo porquê Valença continua provinciana. Aqui os gestores foram e são péssimos, não enxergam um palmo a frente do nariz. Têm ou tiveram olhos apenas para a manutenção de alguns equipamentos, portanto, são administradores medíocres que não conseguem mudar o status provinciano para um progressista.
    Em razão desta decadência é preciso que as pessoas comecem a refletir para uma guinada na política e mudança de paradigma.
    Para aqueles que discordam, então que façam um comparativo com outras tantas cidades da Bahia, dentre elas, Santo Antônio de Jesus, Mutuípe, Presidente Tancredo Neves, Paulo Afonso, Guanambi, Ipiaú, Conceição do Coité, Tucano.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *