Traficantes levam pânico a Valença

 

Cristina Santos Pita l A TARDE

André Azevedo/Agência A TARDE

image

Ruas vazias no bairro Bolívia, um reduto das gangues de traficantes

Os moradores do município de Valença (a 262 km de Salvador), no baixo sul do Estado, estão assustados com as cenas de violência na cidade geradas pela briga entre quatro gangues rivais pelo controle do tráfico de drogas no município. Tiroteios têm culminado na morte de moradores. Em cinco dias, aconteceram oito homicídios: um no último domingo, quatro na terça-feira, 7, e três na noite de quarta, 8.

“Mais de um homicídio por dia. Um número alto e todos relacionados com o tráfico de drogas”, afirmou a delegada titular Sílvia Albuquerque. De janeiro até hoje, foram 32 homicídios. O tráfico de drogas em Valença se intensificou no final de 2008, quando começou a guerra entre as facções. “Existem duas facções maiores e duas que estão crescendo. A intenção dos líderes é se espalhar para outras áreas da cidade”, garantiu a delegada.

Após a onda de violência esta semana, os pais, com medo, não deixaram os filhos irem à escola. Na quinta, 10, as instituições não funcionaram, e na sexta, 11, algumas voltaram às atividades.

Na madrugada de quinta, uma operação das polícias Civil e Militar, com o apoio da Companhia Independente de Policiamento Especializado (Cipe), Cacaueira, Tático Operacional da Polícia Rodoviária e do Departamento de Polícia do Interior (Depin),  foi realizada para capturar chefes do tráfico. Durante a operação, 12 pessoas foram conduzidas à delegacia, sete foram presas em flagrante com armas e drogas e cinco adolescentes, entre 13 e 17 anos, foram conduzidos e liberados.

Mais de 300 pedras de crack e 180 pacotes de maconha, várias armas e munições foram apreendidos. Segundo a  coordenadora regional da Polícia Civil, Argimária Soares, os boatos espalham o pânico. A operação aconteceu nos bairros da Bolívia e do Jambeiro, que, segundo a polícia, são a base das gangues. Os dois bairros da periferia concentram um grande contingente populacional. Só no Bolívia, são 22 mil habitantes, e no Jambeiro, 14 mil.

“Eles se refugiam nos mangues e dificultam a ação da polícia pelo acesso. Quem conhece a área de mangue tem facilidade de fuga. Diferente do policial equipado”, lamentou o coronel Paulo Uzeda, comandante da 33ª Companhia Independente da Polícia Militar.

Nos bairros da Bolívia e Jambeiro, silêncio e medo. “Anteontem (quinta-feira), executaram dois irmãos adolescentes. Quinze homens invadiram a casa deles de madrugada. A família, com medo, se mudou e ninguém sabe para onde foram. A população está apavorada”, contou uma moradora do Bolívia, que pediu para não ser identificada. “Dezessete horas e todo mundo se tranca em casa. Os traficantes fazem terror e estamos desprotegidos”, desabafou uma moradora.

No bairro do Jambeiro, das três escolas, duas estão fechadas desde quarta-feira.  A Escola Linaldo Ferreira Alves, na invasão Santa Luzia, onde ocorreram duas mortes, só vai reabrir na segunda-feira.

Fonte: A Tarde on line

11 thoughts on “Traficantes levam pânico a Valença

  • junho 12, 2010 em 5:53 pm
    Permalink

    sensação já plenamente incorporada à vida dos valencianos e no estado da bahia, contudo a insegurança está atingindo níveis insuportáveis.A batalha que se instalou nas ruas da cidade teve um vencedor, os bandidos.A bahia vive um dantesco espetáculo de horror.A autorídade do Estado tombou,gravemente ferida,diante da própria inoperância e da inadimissivél leniência no trato da questão da segurança pública.A população baiana vive sob o jugo do medo.Para piorar o horror que a cidade vive ,floresceu justamente no mês do são joão, a maior festa popular do nordeste destino turístico do interior baiano.Durante anos nunca vi a bahia nesse estado, para piorar a situação, esse maldito presidio em vlç.As autoridades que aqui estão vivem sentadas com a bunda nas cadeiras, com explicações para encobrir a inconpetência, enquanto isso nós pagamos os nossos impostos e não recebemos de volta serviços competentes do municipio e nem do estado. “Sou a favor bandido bom! é bandido morto.” Quem for contra adote um. Que falta ACM faz!

  • junho 12, 2010 em 6:31 pm
    Permalink

    Lula disse ontem em Aracaju que vai ACABAR com o crak no país… Agora eu pergunto a você: Em 7 anos e meio, ele não acabou, será que em 6 meses esse demagogo conseguirá? O crak entrou no Brasil por São Paulo e ele, como nordestino radicado lá, aliás, bem mais paulista que pernambucano, sabia do mal devastador dessa droga e não fez nada… A sua preocupação é APARECER na mídia internacional… Só os tolos acreditam nessa MAROLLINHA!

  • junho 12, 2010 em 6:34 pm
    Permalink

    Enquanto isso em Brasília…

    Aluguel de R$ 18 mil de QG do PT é pago com dinheiro vivo

    Agências de comunicação contratadas para trabalhar na campanha de Dilma Rousseff pagavam aluguel de casa com depósitos em espécie. Especialista em direito eleitoral condena a prática
    MARCELO ROCHA E MURILO RAMOS
    Em tempos de transações bancárias facilitadas pela internet e insegurança nas ruas, é cada vez mais raro que pessoas e empresas carreguem altos valores sem uma necessidade real. A Lanza Comunicação e a Pepper Comunicação Interativa, contratadas para trabalhar na campanha da ex-ministra Dilma Rousseff (PT), pensam diferente. Preferem a arriscada operação de transportar dinheiro vivo para quitar obrigações. Essa foi a alternativa utilizada para pagar o aluguel de uma casa localizada no Lago Sul, bairro nobre de Brasília, e que serve à campanha da petista. Entre março e junho deste ano, as duas empresas depositaram o equivalente a R$ 72 mil, em espécie, em uma conta indicada pelo proprietário do imóvel no banco Credindústria. A instituição financeira fica no setor de indústrias da capital.
    ÉPOCA teve acesso ao contrato de locação (confira na imagem abaixo) que foi firmado em janeiro e formalizado no Cartório do 4º ofício de Notas de Brasília no final de março. Assinam o documento Luiz Lanzetta, dono da Lanza Comunicação, e Danielle Fonteles, dona da Pepper Comunicação Interativa. O aluguel expira em dezembro de 2010. As duas empresas pagam mensalmente R$ 18 mil. A reportagem procurou os proprietários das agências de comunicação para esclarecer o porquê do pagamento em espécie. Apenas a Pepper respondeu. Por meio de sua assessoria de imprensa, informou tratar-se de uma “opção das empresas” e que “não há ilegalidade na operação”. A Pepper afirmou ainda que o valor era dividido meio a meio com a Lanza, mas não detalhou quem se incumbia de recolher o dinheiro vivo e ir à boca do caixa realizar os depósitos. A empresa de Danielle Fonteles pretende deixar a casa e já está à procura de um novo lugar. Não revelou as razões para trocar de endereço. Existe uma cláusula contratual que prevê o pagamento de multa de 10% do valor total do aluguel, o equivalente a R$ 18 mil. Será que também vão pagar a multa em espécie?

    O secretário-geral da OAB nacional e especialista em direito eleitoral, Marcus Vinícius Furtado, disse que, em tese, pagamento em espécie presume caixa 2. “É absolutamente irregular e injustificável que se tenha pagamentos em dinheiro vivo numa campanha eleitoral”, afirmou. Segundo Furtado, existem instrumentos na legislação que podem punir o uso de caixa 2 até com a impugnação de candidaturas.

    Lanzetta, da Lanza Comunicação, recebeu aval para procurar uma mansão no Lago Sul, capaz de abrigar a estrutura de comunicação da campanha, no fim do ano passado. A casa teria de ser espaçosa e próxima ao local onde a coordenação da pré-campanha de Dilma Rousseff está instalada. Inicialmente a casa foi anunciada por R$ 22 mil, mas Lanzetta barganhou. Obteve desconto de R$ 4 mil e fechou o aluguel em R$ 18 mil. O jornalista conseguiu ainda uma carência de dois meses (janeiro e fevereiro). Lanzetta ficou em evidência nas últimas semanas por ter participado de reuniões com arapongas que seriam contratados para investigar vazamentos de informações dentro do comitê de Dilma Rousseff e para bisbilhotar a vida do adversário da petista, o tucano José Serra. Anunciou sua saída da campanha de Dilma Rousseff no dia 5 de junho.

    ——————————————— Fonte com detalhes do contrato: http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI147079-18176,00-ALUGUEL+DE+R+MIL+DE+QG+DO+PT+E+PAGO+COM+DINHEIRO+VIVO.html

  • junho 12, 2010 em 6:41 pm
    Permalink

    Pelegrini, chame os CAMARADAS para lerem esse artigo, em especial o Alex Paixão… Lembro-me do que ele falou dos Sarney’s… Esse é o PT meu irmão… Está bom ou querem mais? Gostem ou não, no PT sempre terá mais…

    Cúpula impõe Roseana Sarney ao PT do Maranhão

    Agência Estado

    Quatro dias depois de obrigar o PT de Minas a apoiar o PMDB na disputa ao Palácio da Liberdade, a cúpula petista deve avalizar hoje a candidatura de Roseana Sarney (PMDB) a um segundo mandato, anulando a decisão do Diretório Estadual do partido, que em março aprovou a aliança com o deputado Flávio Dino ( PC do B-MA).

    O apoio a Roseana é uma exigência da pré- candidata do PT ao Planalto, Dilma Rousseff, e do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Dilma comparecerá hoje cedo à reunião do Diretório Nacional do PT, que vai bater o martelo sobre o imbróglio no Maranhão e ratificar a parceria em Minas com o PMDB.

    A tendência é o PT aderir à campanha de Roseana. Motivo: a corrente Construindo um Novo Brasil (CNB), que tem a maioria do partido, fechou questão, ontem, pela aprovação da aliança com a filha do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP).

    “Não se trata de intervenção porque o 4.º Congresso do PT, em fevereiro, deu ao Diretório Nacional atribuição para examinar em última instância as alianças nos Estados”, afirmou o presidente do PT, José Eduardo Dutra.

    As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

  • junho 12, 2010 em 6:44 pm
    Permalink

    Deputado faz greve de fome contra apoio a Roseana

    Agência Estado

    Uma greve de fome no plenário da Câmara foi a reação imediata ao anúncio do Diretório Nacional do PT de anular o apoio ao deputado Flávio Dino (PCdoB) e de se aliar à governadora Roseana Sarney (PMDB) no Maranhão. O deputado Domingos Dutra (PT-MA), em vigília desde a noite passada no plenário da Casa, iniciou uma greve de fome em protesto contra a decisão da cúpula petista.

    “O PT resolveu oficializar o estupro político interno. O que fizeram foi negar 30 anos de democracia interna”, afirmou o deputado. Em março, o PT do Maranhão decidiu, com a presença de dirigentes nacionais, apoiar o deputado Flávio Dino na disputa pelo governo do Estado. Contrariados com a decisão, o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), pai de Roseana, e o PMDB passaram a pressionar diretamente o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Dutra lembrou que, em março, o diretório estadual seguiu todas as normas partidárias na escolha do candidato. “Nós respeitamos todas as regras, mas não nos disseram que o resultado tinha de ser obrigatoriamente a favor de Sarney”, protestou.

    Uma eventual desfiliação do partido é assunto cogitado. Dutra disse que essa é uma questão a ser discutida pelo grupo ao qual está ligado no Maranhão. “Minha história é incompatível com a história de Sarney. Sair do partido vai depender de decisão de vários companheiros”, disse Dutra, anunciando que não será candidato nas próximas eleições. “Deram o partido ao PMDB. Não posso ter o meu nome colado a bandidos”, afirmou.

    O deputado avaliou que os movimentos sociais, ligados ao PT no Estado e alvo de interesse de Roseana Sarney na intenção de dar uma imagem mais popular à sua candidatura, não darão apoio à governadora. “Estão roubando nosso símbolo para limpar a história de Sarney, mas os movimentos sociais não vão junto”, disse Dutra.

    Com 1,72 metros de altura e pesando 65 quilos, o deputado abandonou os alimentos sólidos às 14h15. Desde então, está tomando apenas água e água de coco. O deputado levou para o plenário uma extensa leitura. Entre os livros estão “A arte da Guerra”, de Sun Tzu, “Princípios de Vida”, de Mahatma Gandhi, “Insônia”, de Graciliano Ramos, “Reencarnação e a Lei do Carma”, de Willian Walker Atkinson.

    “Os espíritos de Tancredo Neves e Ulisses Guimarães passaram por aqui”, disse Dutra, sobre a primeira noite no plenário da Câmara. “Eles passaram para me dizer tenha cuidado, porque nós fomos vítimas dessa praga”, completou. Em 1985, Tancredo foi eleito presidente da República pelo colégio eleitoral, mas adoeceu e não chegou a tomar posse. Em seu lugar assumiu o vice Sarney. Ulisses Guimarães foi presidente da Câmara e do PMDB durante o governo Sarney. Morreu em um acidente de helicóptero em 1992.

  • junho 12, 2010 em 6:49 pm
    Permalink

    Pelegrini, vale a pena ver o vídeo e ler essa matéria… Será que Lulla pensa que é Deus?

    Lula tem que mostrar que sabe vencer

    http://colunas.epoca.globo.com/pelomundo/ – Endereço do vídeo e da matéria da Revista Época
    9:07 | sex , 11/6/2010

    Paulo Nogueira

    JÁ TINHA ME CHAMADO NEGATIVAMENTE a atenção uma característica dos vídeos que o governo coloca no seu canal do YouTube. Você não pode deixar comentários. É a negação do espírito da mídia social, em que o internauta participa do debate. Ou pode participar, pelo menos.
    Nos vídeos divulgados pela Casa Branca, para fazer uma única comparação, você pode dar sua opinião. As que passam do ponto, por serem brutalmente racistas, insultuosas ou diversas outras coisas associadas à canalhice, são removidas. As críticas ajudam a construir, na internet, um ambiente democrático. Além disso, ajudam a ver o que a voz rouca digital está dizendo. Neste vídeo em que Obama faz um pronunciamento no Ford’s Theatre, o histórico local onde Lincoln foi assassinado em Washington, um internauta ataca: “Reparem na voz. O homem está bêbado.” Os comentários são vitais nas mídias sociais. Bloqueá-los é inépcia, se for por acaso, ou má fé, caso haja intenção.
    No vídeo de Lula, o problema vai além. É o tom que impressiona. Ele parece falar com ódio no coração, tomado por um revanchismo deselegante, barulhento e despropositado. Filosoficamente, é um “Momento Zagallo”, pouco elevado: os que me criticam vão ter que me engolir. (Ou, talvez, engolir Dilma.) Lula se saiu na presidência bem melhor do que muitos imaginavam. Ao vencedor, as batatas. Exatamente por isso, deveria estar feliz, leve. Cumpriu a missão e vai ter um lugar destacado na história. É possível que ganhe um bom, fácil e merecido dinheiro no circuito internacional de palestras no futuro.
    O ressentimento mostra um Lula distante da imagem de chefe cordial que ele projetou em suas duas administrações. Exaltado, disse que o Brasil cresce como a China. Não, não cresce. Se tentasse, aliás, explodia: não há base para isso. Esta imprecisão incomoda menos do que a expressão e a voz de Lula ao proferi-la.
    Torcer contra é parte da democracia. Lula mesmo torceu contra Fernando Henrique Cardoso quando era oposição. Quando a oposição torce a favor do governo instala-se um surrealismo político que desafia toda lógica. Caso Serra ganhe as eleições presidenciais, Lula torcerá contra ele instantaneamente. E contará os dias para o PSDB sair. Não há pecado nisso, embora Lula pareça achar que haja quando se trata de oposição a ele, Lula.
    LULA DERROTOU os péssimos prognósticos que foram feitos sobre ele, principalmente nos meses anteriores à sua chegada ao Planalto, em 2002. O Brasil é admirado hoje globalmente. A contribuição de Lula para isso é milionária, bem como a de seu antecessor, FHC, em cuja gestão o Brasil afinal se reencontrou com a estabilidade econômica.
    Lula soube perder no passado. Derrotado nas urnas mais de uma vez, aprendeu com os erros, seguiu adiante e comandou uma presidência com índices extraordinários de popularidade. Agora, no ocaso, ele tem que mostrar outra coisa, até para que possa servir de exemplo para milhões de brasileiros: que sabe também vencer.

  • junho 12, 2010 em 6:55 pm
    Permalink

    Olha os senadores ai gente…

    Só a vuvuzela sacode o Senado

    RUTH DE AQUINO – ENDEREÇO DA MATÉRIA: http://REVISTAEPOCA.GLOBO.COM/REVISTA/EPOCA/0,,EMI147093-15230,00-SO+A+VUVUZELA+SACODE+O+SENADO.HTML

    RUTH DE AQUINO
    é diretora da sucursal de ÉPOCA no Rio de Janeiro
    raquino@edglobo.com.br

    Nunca antes na história o senado brasileiro teve uma semana tão profícua. Véspera de Copa, com o país amortecido pela polêmica da Jabulani e o requebrado da Shakira, os 81 senadores esqueceram o corpo mole e partiram para o ataque. A julgar pela quantidade de decisões nos últimos dias, deveríamos fazer um exame de doping. Até de madrugada, todos votavam com uma energia incomum. Entraram impedidos, chutaram a Jabulani na trave e fizeram gol contra. Vuvuzela neles.

    O país só examinou as jogadas no tira-teima. O juiz supremo, Lula, já prometeu anular uma das manobras, a da partilha dos royalties de petróleo. Quem sabe a sociedade – que conseguiu na semana passada uma vitória incontestável na campanha pela Ficha Limpa já em 2010 – se conscientize agora do poder da mobilização popular. A internet e as redes sociais podem ajudar o cidadão a promover um vuvuzelaço virtual sempre que o Senado fizer jogadas ilegítimas. Dando carrinho na Constituição, atropelando a ética, votando em benefício próprio. Ou prejudicando a arquibancada.
    Primeiro, o Senado recontratou uma empresa de limpeza, a Adservis, que havia sido multada em R$ 4 milhões por não pagar a seus próprios funcionários. Nem os jornalistas que cobrem o Congresso em Brasília se animam a investigar essa caixa-preta. Eles já desistiram, resignados. Todo ano, dizem, é a mesma coisa. Como assim? Você e eu queremos saber por que a Adservis pôde participar de uma concorrência se, em janeiro, alegou problemas financeiros e deixou de pagar a quem limpava as latrinas e servia cafezinho.

    Quem assumiu a folha foi o Senado. Agora, a mesma empresa vai receber R$ 1,2 milhão por mês para fazer a faxina da Casa. Em miúdos, limpar o Senado custa aos cofres públicos – ou a nosso bolso – R$ 40 mil por dia! Isso caso a limpeza fosse diária. Duvidoso, porque os senadores trabalham cerca de três dias e meio por semana. Notícia importante ou supérflua? O Congresso não prometera cortar excessos e diminuir despesas? A Adservis não vai conseguir limpar o Senado. Quem sabe a mobilização popular consiga no grito. Vuvuzela neles.

    No ataque até a madrugada, os senadores fizeram gol
    contra e deram carrinho na Constituição
    No dia seguinte, o Senado aprovou um plano “secreto” de reajuste de cargos e salários. Todos assinaram, menos uma petista de nome impronunciável, Serys Slhessarenko. O presidente do Senado, José Sarney, também assinou – mas afirmou ignorar detalhes. O Senado se habituou a atos secretos. Mas o jornal O Globo teve acesso ao plano: o aumento seria de 8,5% neste ano e 17% no ano que vem.

    Como esses % não significam nada para nós, mortais, aí vai o impacto em números absolutos: mais R$ 217 milhões de gastos agora com a folha e mais R$ 481 milhões em 2011. O salário de consultor do Senado pularia de R$ 14 mil para R$ 22 mil. A despesa total com pessoal já é de R$ 2,2 bilhões ao ano. Temos um dos Congressos mais caros do mundo. Quero ver o próximo presidente engolindo uma Jabulani dessas. O “plano” ainda precisa ir a plenário. Anotem aí: o prazo para aprovação dessa jogada é 2 de julho. Vuvuzela neles.

    Na madrugada fria de quinta-feira, às 2h25, quando o país dormia e sonhava com o hexa na África do Sul, o energizado gaúcho Pedro Simon estava em pé na tribuna do Senado. Nem aparentava seus 80 anos. Na ânsia de aprovar sem debate a mudança na distribuição dos royalties do petróleo, ele apelou a uma retórica fatal. Em vez de argumentos, $$$. O Acre passa a ganhar tanto. Alagoas, esse outro tanto. Seguindo a tabelinha ensaiada, o senador Heráclito Fortes perguntou: “E o Piauí, senador?”. “De R$ 18 milhões passa a mais de R$ 1 bilhão”, respondeu Pedro Simon. Todas eram contas fictícias e improváveis. O petróleo ainda não está sendo explorado. Não se tem ideia de quando o país conseguirá atingir o pré-sal.

    Ninguém dormia na plateia, ao contrário das sessões sonolentas que discutem coisas intangíveis e menos importantes como emprego, saúde e educação. A lógica do bônus (não do ônus) era infinitamente mais sedutora para os 41 senadores que votaram a favor da emenda Simon. A emenda contraria a Constituição. Entra em campo, Lula. Vuvuzela neles.

    —————- Até quando o povo vai aguentar isso?

  • junho 13, 2010 em 2:16 am
    Permalink

    “Lula: O MAIOR BLEFE DE TODODS OS TEMPOS”

    A família Sarney continua a mesma de nove anos atrás. Para ser justo, continua a mesma de 50 anos atrás. Para ser justo, continua a mesma de 100, 150 anos atrás… E por isso o único estado do Nordeste a não sofrer com o problema da seca também segue sendo o mesmo: apresenta os piores índices sociais do país.

    É preciso ser justo: quem entende do riscado sabe que Lula também não mudou. O oportunismo, antes, o fazia atacar a família Sarney. E o mesmo oportunismo, agora, o leva a impor Roseana ao PT.

  • junho 13, 2010 em 2:20 am
    Permalink

    BRASIL DESCENDO A LADEIRA disse:

    “FERREIRA GULLAR: O LULA É, DE FATO, UMA PESSOA DESONESTA, UM DEMAGOGO, E ISSO É PERIGOSO”

    O principal problema do Lula é ele não reconhecer o que ele deve aos governos anteriores. Tudo dele é “Nunca na história deste país…”. Ele se faz dono de tudo o que ele combateu. Por que o Brasil passou pela crise da maneira que passou? Porque havia o Proer (programa de auxílio ao sistema financeiro). Mas o PT foi para a rua condenar o Proer dizendo que o governo FHC estava dando dinheiro para banqueiro. E a Lei de Responsabilidade Fiscal? O PT entrou no STF contra a lei. Ainda está lá o processo do PT para acabar com a Lei de Responsabilidade Fiscal. O PT era contra o superávit primário, era contra tudo. Quer dizer, tudo o que eles estão adotando e que se constitui a infraestrutura da política econômica eles combateram. Agora o cara não reconhece isso: ele diz que fez tudo. O Lula é, de fato, uma pessoa desonesta. Um demagogo. E isso é perigoso.

    ———–ATÉ QUE ENFIM, UM INTELECTUAL FORA DA FOLHA DE PAGAMENTO DO “governo lula”.

  • junho 13, 2010 em 2:40 am
    Permalink

    Bahia e a torcida pela Emenda de Simon

    Imagino a expectativa que deve estar vivendo o governador Jaques Wagner com a possibilidade de passar a vigorar o novo sistema de partilha do Fundo Social do Pré-sal, formado pelos royalties do petróleo. Afinal, a perspectiva é que, caso o presidente Lula não vete a Emenda Pedro Simon, que foi aprovada na noite da quarta-feira no Senado Federal, a Bahia passe a receber R$ 3, 3 bilhões, em vez dos pouco mais de R$ 650 milhões de hoje, dinheiro que será distribuído entre os municípios e o governo do Estado.

    O pior é que, por um dever de ofício com o PT nacional e com o próprio presidente, Wagner não pode sequer festejar abertamente a boa notícia. Mas garanto que deve ter comemorado pelos corredores do Palácio de Ondina e deve estar torcendo para que Lula não derrube o que o Senado aprovou.

  • Pingback: OS SEIS PIORES ANOS DE VALENÇA | Blog do Pelegrini

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *