A BOMBA DE MEDRADO PODE SER UM CAVALO DE TRÓIA

O deputado federal Marcos Medrado disse em uma entrevista de rádio que tem uma bomba para soltar contra a TWB, e que também envolve o ex-governador Paulo Souto.

A notícia teve repercussão nos blogs aqui da cidade, assim como: Valença Urgente e Portal do Baixo Sul. Eu acho muito interessante o deputado Marcos Medrado querer soltar essa bomba às vésperas de eleição! Se sabia de uma bomba por que não falou logo? Agora, querendo virar-se para o lado do governador Wagner fica fazendo chantagens. Pode até ser uma arma de Souto, usando Medrado para ganhar confiança do grupo do PT e depois desestabilizar a campanha dos petistas, assim como Ramiro está fazendo aqui em Valença. (Veja nossa enquente).

O deputado deveria era dizer logo qual lado está. Com certeza, nesse momento faz o mesmo papel de Ramiro (está do lado do mais forte), mas se Paulo Souto subir nas pesquisas ele terá uma bomba do governador Wagner.

Conheço esse deputado de longas datas, era um carlista, virou-se pro lado de Waldir Pires, na eleição seguinte já era um carlista de novo. É o chamado macaco esperto, só pula em galho bom.

7 Respostas para A BOMBA DE MEDRADO PODE SER UM CAVALO DE TRÓIA

  1. d zoião novembro 14, 2009 às 5:43 pm #

    bomba ou track, logo agora que paulo souto esta em campanha, porque não folou antes,começou a campamha politica, todos querem aparecer, medrado andou sumido, agora quer denuncia,porque não fala com suas radios da bahia, acho é querer aparecer com esta bomba, teve votos aqui em valença, mais nada trouse de volta, seus eleitores não quer ouvir o grito dessa bomba falsa, cuidado meu povo de valença, de enganadores aqui esta cheiro, basta o prefeito tio gaiato.

  2. goroto baiano novembro 14, 2009 às 6:02 pm #

    /11/2009 às 10:51 | ATUALIZADA às 16:37 | COMENTÁRIO (0)
    Festival de Música do Descobrimento começa com público de 10 mil em Porto Seguro
    Mário Bittencourt, da sucursal de Eunápolis do jornal A TARDE

    voltar | avançar
    Joa Souza | Agência A TARDEBanda Cromo, de Eunápolis, é um dos nove representantes da regiãoJoá Souza | Agência A TARDEAtração da primeira noite, Guilherme Arantes atrai um bom público à Passarela do ÁlcoolJoá Souza | Agência A TARDEAlém de cantar e encantar, Guilherme Arantes apimentou a polêmica a respeito da música baianaApesar dos problemas com a equalização do som, o III Festival de Música do Descobrimento começou na noite desta sexta-feira atraindo à Passarela do Álcool, em Porto Seguro, cerca de 10 mil pessoas, segundo estimativas da Polícia Militar. No palco, nove músicos da região e 11 de outros estados, como Minas Gerais, Pernambuco e Rio de Janeiro, alguns já com anos de estrada e outros ainda em início de carreira. Na plateia, turistas despreocupados com o surto de meningite que assustou o Sul da Bahia há poucas semanas. E, para despertar ainda mais a atenção do público, apresentação de Guilherme Arantes, no primeiro dia, e Titãs como a grande deste sábado.

    A diversidade de estilos marcou o primeiro dia. Teve de cantora evangélica fervorosa – e também outra da mesma religião, que cantou um axé gospel que terminou com solo de heavy metal – a bandas de rock estilo trash, talvez as mais prejudicadas pela má qualidade na equalização do som. Volume da guitarra inferior ao do baixo, voz alta e bateria pipocando eram alguns dos problemas que dificultavam a apreciação da melodia tocada. A falha foi tão evidente que os jurados mandaram alguns concorrentes se apresentarem de novo, porque não tinham como fazer a avaliação.

    Pela primeira vez no festival, o cantor da banda mineira “Dias de Truta”, de Divinópolis, Eduardo Tarcício, afirmou que nunca foi tão bem recebido. “Já participei de vários festivais e aqui foi onde as pessoas nos deram mais atenção. Estou muito feliz de estar aqui e pode apresentar nosso som para esse público maravilhoso”, disse ele, cuja banda ganhou um festival em Divinópolis ano passado.

    Clima familiar e polêmica – Para um município que ganhou espaço nos principais meios de comunicação do País há poucas semanas por causa do surto de meningite C – a forma mais letal da doença e que fez nove vítimas, sendo seis delas fatais –, Porto Seguro recebeu um público considerado bom. Turistas de vários lugares do Brasil nem se importavam com o problema de saúde pública. “Vir a Porto Seguro e ter a sorte de participar de um festival desses, com cantores maravilhosos, é um privilégio. Eu me considero um sortudo”, afirmou o empresário mineiro Roger Carlos dos Santos Lima, 34, morador de Valadares. “É a primeira vez que vejo o festival e, se ano que vem ele for nessa mesma época, quando tiro férias, vou aproveitar e vir”, disse ele, que estava acompanhado da esposa e de dos dois filhos pequenos, num clima familiar que deu o tom do primeiro dia do festival.

    Para o cantor Guilherme Arantes, que cantou sucessos acompanhados do público, a importância desse tipo de evento é que valoriza quem corre atrás de mostrar seu trabalho. “Isso me lembra muito o meu passado, quando fazia apresentações em diversos festivais. É uma emoção diferente se tocar num festival do que num show comum”, afirmou. Depois, apimentou uma polêmica. “O som que a Bahia produz hoje, com cantores bombados e sem conteúdo, letras nostálgicas, vai acabar em breve. Penso que há um pessoal novo aí fazendo um trabalho interessante, com pop, e o monopólio da Axé Music vai acabar. E a queda vai ser grande”.

    se vcs gostam de bombas baianas, vem mais essa, esta é forte, e serio e ja sabia, não é bombinha,depois de gil e caetano,o baiano não faz musica, bate lata.

  3. visão politica novembro 15, 2009 às 8:04 am #

    Vinte anos depois do Lula-lá, Lula, Collor e Sarney estarão juntos na campanha eleitoral
    Publicada em 14/11/2009 às 19h20m
    O Globo
    R1 R2 R3 R4 R5 Dê seu voto R1 R2 R3 R4 R5 Média: 4,5Comente
    Comentários

    BRASÍLIA – A eleição presidencial de 1989 foi marcada por agressões e ataques pessoais dos três principais personagens: os candidatos Fernando Collor de Mello (PRN), que seria eleito presidente, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que ficou em segundo lugar, e o então presidente da República, José Sarney. Era ladrão para lá, corrupto para cá e ditador de opereta para acolá. Collor ameaçava pôr os corruptos do governo Sarney na cadeia, se eleito. Sarney processou Collor por injúria e difamação. No calor da campanha, o alagoano xingou Lula de cambalacheiro. Foi eleito e não botou ninguém na cadeia. Acabou ele próprio apeado do cargo após dois anos de poder.

    Navegue por infográfico sobre as eleições de 1989
    Depois de 20 anos, com Lula na Presidência, os três arqui-inimigos políticos transformaram-se em aliados em torno da base do governo petista, o que surpreendeu até os governistas, mostra reportagem de Gerson Camarotti e Maria Lima, publicada neste domingo pelo jornal O GLOBO. As declarações de cada um para justificar a repentina amizade se baseiam na alegação de que todos foram alvo de campanhas difamatórias e injustiças. Outra argumentação é que não foram eles que mudaram, mas o tempo e a política. De forma reservada, interlocutores de Lula dizem o que mais mudou nessas duas décadas: o pragmatismo e a necessidade de governabilidade.

    A relação de Lula com Sarney foi construída de forma gradual e, aparentemente, sem grandes traumas. Em 2002, o atual presidente do Senado apoiou a eleição de Lula. Mas a aproximação de Lula com Collor foi um processo mais lento e “difícil” para o presidente, segundo relato de Lula a um interlocutor.

    Lula até hoje tem na memória os ataques de Collor na campanha, na qual foi atingido com um golpe abaixo da linha da cintura: a acusação de tentativa de aborto da filha Lurian. Sarney também foi alvo de Lula e Collor, que acusaram seu governo de corrupção.

    Leia a íntegra desta reportagem na edição deste domingo do GLOBO Digital (exclusivo para assinantes).

    Links patrocinados

    Veja Briga de Jose Serra
    Estudantes apoia Jose Serra e Dilma Chora com Briga de Lula Presidente
    http://www.JoseSerra.com.br/MagnusCarlo

  4. Nana novembro 18, 2009 às 1:49 pm #

    Quero sugerir uma próxima enquete:

    Presidente do Brasil 2010:

    Dilma
    Heloísa Helena
    Marina Silva
    José Serra

  5. pelegrini novembro 18, 2009 às 4:15 pm #

    Nana, gostei da enquete, pode ser essa.

  6. Nana novembro 18, 2009 às 6:43 pm #

    A Marina está cada vez mais forte… Ninguém tem nada que a desabone… Pq Marolinha não pensou no nome dela em vez da Dilma?

  7. pelegrini novembro 18, 2009 às 6:48 pm #

    Pois é Nana, ainda dá tempo, mas eu acho muito difícil, ele não gosta de se misturar com políticos decentes.

    Abraço.

    Pelegrini

Deixe um comentário