EMPRESÁRIO HILTON COUCEIROS DE MATOS DISSE QUE ELE PRECISOU ATIVAR TAC NO MP PARA FAZER A REFORMA DO TEATRO MUNICIPAL DE VALENÇA

Hilton disse que não haviam registrado o TAC no MP e ele teve que registrar para reformar o teatro

O empresário Hilton Couceiros de Matos resolveu esclarecer algumas polêmicas que estão surgindo sobre a reforma do Teatro Municipal, disse que não teve nada que o obrigasse a reformar o Teatro Municipal, falou que até o TAC que ele havia assinado não foi registrado no MP, mas, que por uma questão de caráter ele o ativou.

Falou que à época assinou o TAC porque tinha o compromisso de refazer a fachada dos casarões históricos (de sua responsabilidade) que caíram na Praça da República e para que ele levantasse um prédio com fachada diferente houve esse acordo, reformar o Teatro Municipal.

“Eu soube na época que, o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) que é um instrumento utilizado na administração pública brasileira com a finalidade de promover a adequação de condutas tidas como irregulares pela legislação ou contrárias ao interesse público, não havia sido registrado no MP, mas nem por isso me abstive de cumprir o que não era obrigado a fazer.

O TAC, como muitos pensam, não se trata de verba pública é uma espécie de multa, os menos informados pensam que é algum tipo de verba destinada pelo poder público.

Estou usando o meu orçamento, que era para refazer a fachada dos casarões, para reformar o Teatro Municipal”, esclareceu.

O empresário falou ainda que, o custo da reforma é muito maior que o orçamento que ele havia destinado para refazer a fachada dos casarões e voltou a frisar: “tudo está sendo feito com recursos próprios”.

“Agora é o lado saudosista que está falando, vou fazer a reforma porque me traz a uma viagem no tempo, devo gastar o triplo do meu orçamento nesta reforma, tudo por causa do meu amor pela cultura e pelo Teatro Municipal de Valença”, desabafou.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *