WANDA SYKES, FEIA, CARA DE HOMEM E ESTÚPIDA

image

Essa moça é uma atriz americana. Ela fez uma declaração sobre o Rio de Janeiro, em relação às olimpíadas quando era entrevistada no “Jay Leno Show” na Rede NBC, quando indagada sobre a escolha da sede das olimpíadas de 2016, ela perguntou a Leno se por acaso o comitê olímpico tinha incluído “whoring” (prostituição) em suas modalidades esportivas e que talvez fosse escolhida durante as competições “a bunda mais bonita” no Rio. http://leilacordeiro.blogspot.com/

Clodovil vivo estivesse, diria: Com certeza na modalidade prostituta a senhora não ganharia, primeiro porque a senhora não tem jeito nem de prostituta. Feia, cara de homem e estúpida. Sobre “bunda mais bonita” até eu ganho da senhora.

Não fossem os ladrões do congresso, poderíamos responder com mais emoção.

31 thoughts on “WANDA SYKES, FEIA, CARA DE HOMEM E ESTÚPIDA

  • outubro 9, 2009 em 9:29 am
    Permalink

    Realmente, foi muito infeliz… Mas não podemos negar a realidade do que acontece… O Brasil é conhecido como um país de belas e desfrutáveis mulheres… Inclusive essa imagem é muito difundida pelos orgãos oficiais… “Eles vendem o nosso país assim”…

    Que essa observação dela nos ajude a rever posturas! E reimprimir um novo modelo de atrativos turísticos!

  • outubro 9, 2009 em 11:15 am
    Permalink

    Oi turma,

    O povo brasileiro é um povo sofrido, se não jogassemos os conceitos pro ar, morreriamos de tédio. Não gosto muito do termo prostituição, mas se elas se sentem bem vendendo o corpo… Um abraço!
    Também não é por isso que temos que ser chamados de prostitutas, eles são mais que nós, você não acha?

    Abraço,

    Pelegrini.

  • outubro 9, 2009 em 12:33 pm
    Permalink

    Só pontuamos o descaso com que o Brasil é vendido lá fora… E nesse aspecto a mulher entra como “produto” … O Brasil tem tantos atrativos naturais e culturais que “coisificar” a mulher, além de ser uma agressão, é tb uma burrice enorme…

  • outubro 9, 2009 em 12:57 pm
    Permalink

    Entendi.

    Abraço,

    Pelegrini

  • outubro 10, 2009 em 7:59 pm
    Permalink

    Ela foi preconceituosa e deselegante… Certamente por ser norte-americana, ter tido acesso a educação e cultura, possuir um bom poder aquisitivo, sente-se superior!

    Como mulher e negra ela deveria medir suas palavras… Temos muita segregação, principalmente contras as mulheres negras e pobres dos países subdesenvolvidos!

    Ela foi infeliz… Muito infeliz!

  • outubro 10, 2009 em 8:03 pm
    Permalink

    Vou recorrer a Rita Lee e sua célebre frase para argumentar seu texto: “Nem toda bruxa é corcunda e nem toda brasileira é só bunda!” E eu acrescentaria: Nem toda brasileira é prostituta!

    Vou me reservar o direito de não chama-la de bruxa… Mas ela é feia mesmo, mas o mais feio é seu preconceito!

    Mulher que descrimina mulher não tem perdão!

  • outubro 10, 2009 em 8:18 pm
    Permalink

    A Tailândia é um país de grandes atrativos, mas insistiu em uma estratégia: O TURISMO SEXUAL e até hoje paga um preço alto por esse equívoco… Busca em vão reverter a situação, mas não consegue… Uma lástima, uma pena… Quem conhece a Tailândia, diz que são as mais belas praias do mundo, no entanto, o que “vende” mesmo é o TURISMO SEXUAL…

    Se o Brasil não tomar cuidado, ficará sempre vinculado aos bumbuns das mulatas… E nós sabemos que aqui ninguém anda na rua vestido de passista de escola de samba, neh?

    A atriz no seu “discursinho” tolo revelou como os estrangeiros vêem o Brasil… A pergunta é: POR QUE SERÁ?

  • outubro 10, 2009 em 10:08 pm
    Permalink

    Valeu Nana! Obrigado pelo comentário.

    Abraço,

    Pelegrini.

  • outubro 10, 2009 em 10:11 pm
    Permalink

    Ela pecou feio Lina, imagina se algum dia vem aqui ao Brasil.

    Abraço,

    Pelegrini.

  • outubro 11, 2009 em 5:28 am
    Permalink

    Por que será que os estrangeriros vêem o Brasil como uma “grande zona”?

    A visão que se tem lá fora, é fruto de um conjunto de fatores que vai muito além do presidente beberão, dos escândalos de corrupção, da violência, do descaso com a saúde e educação, da forma como são tratados nossos idosos e jovens, crianças… Ou ainda dos impostos mais altos do mundo… Vai principalmente como o Brasil é vendido pelo órgãos oficiais de turismo… Meu pai estava em Vancouver, no Canadá quando ocorreu uma feira internacional… Estava um frio de “matar” (menos 10º) e o stand do Brasil exibia mulheres de biquine ao vivo e distribuia cartões postais de belas praias que poderiam ser em qualquer lugar do mundo, pois o destaque eram os corpos femininos e de forma exagerada, seus bumbuns…

    Claro, o Brasil é um país tropical, com belas praias e consequentemente, mulheres de biquines… Mas em nenhum momento isso foi contextualizado… Ou junto a isso, mostrou a diversidade e riqueza da nossa cultura, das belas paisagens naturais ou dos equipamentos turísticos de primeiro mundo… O que ficou é: EM QUALQUER CIRCUSTÂNCIA, A BRASILEIRA ESTÁ DISPONÍVEL, sorridente e semi-nua!

    Diante disso… Não é de se esperar que os estrangeiros acreditem que toda brasileira é prostituta… Ou é “só bunda”… A atriz declarou de forma preconceituosa, mas ela só denotou “o senso comum” com que as mulheres do Brasil são percebidas/compreendidas lá fora…

    E como são tratadas também, pois uma vez viajei com minha mãe e minha prima pra Europa e quando chegamos a Portugal, um funcionário perguntou: Na família de vocês não tem homem pra vcs viajarem sozinhas? Isso mesmo… Logo na chegada… Fomos discriminadas a viagem inteira quando declarávamos nossa nacionalidade… Ao ponto de “inventarmos” que éramos portuguesas… E só nos comunicarmos publicamente em inglês…

    Gostaria que Marcinha e Elena que estão fora falassem das suas experiências…

    Abraços amigo Pelegrini,

    Mille

  • outubro 11, 2009 em 6:02 am
    Permalink

    A face da dita cuja eu já vi, o que me falta ver é seu “derrière”… Pois eu desconfio que esse comentário foi por pura inveja das nossas lindas e maravilhosas mulheres!

  • outubro 11, 2009 em 8:04 am
    Permalink

    Legal Mille, bom saber essas coisas.

    Abraço,

    Pelegrini

  • outubro 11, 2009 em 8:16 am
    Permalink

    Concordo com você Oliveira.

    Abraço,

    Pelegrini.

  • outubro 11, 2009 em 9:19 am
    Permalink

    Eu fiz um estudo sobre o que leva os estrangeiros a pensar nessa “eterna disponibilidade” das brasileiras e creia, são muitos fatores… Jorge Amado sempre descreveu as suas personagens como mulheres fogosas e muito sensuais e ele ainda hoje é muito lido no mundo inteiro… E em todos os idiomas… No livro Gabriela, ele compara-a a especiarias, como o cravo e a canela e por ai vai… As músicas do Ary Barroso também contribuem pra isso… A imagem da Carmen Miranda dançando de barriga de fora, virando os olhinhos e maliciosamente dizendo que “no taluleiro da baiana tem”… Sem falar na moda praia e nos biquines brasileiros, que são os menores e mais elogiados do mundo… E a eterna imagem de futebol e carnaval… Ou seja, desfrute o tempo todo… Carnaval é a festa da carne, dos prazeres… A festa que antecede a quaresma, a abstinência… Isso tudo é muito forte e AINDA AS MULHERES SENDO VENDIDO como “produto”, “mercadoria”, ai é difícil eles entenderem que mesmo o Brasil praieiro e litorâneo, hedonístico, quente e sensual e de belas mulheres, é um país sério, de gente que trabalha, estuda, produz… Que as mulheres aqui tb são esposas, mães, irmãs, tias, primas, amigas… Realmente, nem toda brasileira é prostituta ou “é só bunda”… O problema é que os estrangeiros sabem muito pouco sobre os outros países… Eles possuem cultura geral “zero” e tb não se interessam em saber, via de regra… São egocêntricos e tolos… Desconhecer as riquezas e a cultura de distintos países é algo precioso… Perde quem ignora!

    Abraços a todos!

  • outubro 11, 2009 em 9:42 am
    Permalink

    Gostei do seu comentário Marcinha. Completo!

    Abraço.

  • outubro 11, 2009 em 10:08 am
    Permalink

    Errata: Isso tudo é muito forte e AINDA AS MULHERES SENDO VENDIDAS como “produto”, “mercadoria”… “VENDIDAS” e não vendido…

    Amigo Pelegrini, os estrangeiros acham que vivemos como índios, em plena floresta e que aqui só se joga bola ou samba… Ou ainda, se vive na praia… Pode? O brasileiro “rala pra caramba” e no entanto, eles possuem essa visão deturpada…

    Perdem eles que desconhecem a nossa rica cultura… E perdemos nós pq somos sempre associados a …

    Fazer o quê? Só nos cabe exclarecer e mudarmos essa imagem equivocada!

  • outubro 11, 2009 em 10:10 am
    Permalink

    Me aguardem que eu estou voltando… Elena, fala ai… Bjs a todos!

  • outubro 11, 2009 em 12:19 pm
    Permalink

    Marcinha foram esse gringos safados que inventaram a exposição da nudez, lembra da revista “Playboy”? Onde nasceu? Então eles expôem o nu deles e dizem que é artístico, mas o nosso eles dizem que é prostituído.

    Beijo.

  • outubro 11, 2009 em 5:55 pm
    Permalink

    Este comentário é uma demonstração de ignorância e estupidez. O americanos poucos sabem sobre os outros países e tampouco sabem dizer Olá! ou tchau! em nenhum idioma ki não seja o inglês, provando a sua soberba e incapacidade de adquirir um pouco mais de cultura.
    Mas o pior de tudo é a imagem, também preconceituosa, que a indústria brasileira do turismo exibe lá fora do Rio de Janeiro, denegrindo a imagem da mulher brasileira. Eu , como uma mulher carioca, me sinto extremamente ofendida com essa imagem de prostituta que foi criada pelo turismo, pra atrair gringo escroto e pervertido.

    PS: Muitas americanas de família costumam agir como prostitutas.

  • outubro 11, 2009 em 7:43 pm
    Permalink

    CORDEL: A PROFESSORA QUE TROCOU A SALA DE AULA PELA BAIXARIA DO PAGODÃO

    Autor: Antonio Barreto

    Essa história na Internet
    Foi deveras divulgada
    E também pela Imprensa
    Que não se fez de rogada
    E agora a professora
    Por muitos foi aclamada

    Que me perdoe Jesus Cristo
    Qualquer Santo, Barrabás
    Mas acho que a professora
    Quis mesmo ganhar cartaz
    Na TV, na internet
    Nas revistas e jornais.

    Tudo isso aconteceu
    Lá no tal do Malagueta
    (Em Salvador da Bahia)
    Onde existe só mutreta…
    Foi aí que a professora
    Quase monta na “lambreta”.

    A “inocente” professora
    Resolveu dançar pagode
    Ao ritmo de uma banda
    Onde a baixaria explode
    Cujo nome é o “O Troco
    Que nem o diabo pode.

    Para não ser radical
    Busquei a neutralidade
    Transformando em cordel
    Aqui em nossa cidade
    A fala das professoras
    Que têm credibilidade:

    — Nossa música baiana
    Que é tanto elogiada
    Transformou-se em besteirol
    E deixou desempregada
    Uma jovem professora
    Que dançou “toda enfiada”!

    — Logo uma professora
    De educação infantil
    Resolve subir no palco
    E mostrar seu bundaril
    Ao som de “Todo Enfiado”
    Na voz de Mário Brasil !

    — Percebam que a professora
    Não tem jeito de quem pensa…
    Ela ficou bem feliz
    Com o Ibope na Imprensa.
    Mas será que a baixaria
    É algo que recompensa?

    — Empresários, radialistas
    Jornalistas canibais
    Usaram o Padre Pinto
    De uma forma voraz
    E agora é a Jaqueline:
    Professora ineficaz.

    — Agora qualquer bandido
    Vagabundo, estuprador
    Ladra, estelionatário
    Sem caráter sem pudor
    Já podem fazer sucesso
    Na imprensa de Salvador.

    — Não somente em Salvador,
    No Brasil, no mundo inteiro
    Muitos fazem armação
    Por cartaz e por dinheiro
    E uma parte da imprensa
    Está virando puteiro.

    — Quando falo em Imprensa
    Sei que existe exceção.
    Jornalistas e jornais
    Expressivos da Nação
    Trabalham com muita ética
    Respeito e dedicação.

    — Se ligamos a TV
    Só vemos hipocrisia
    Nas emissoras de rádio
    Qualquer um se arrepia:
    Radialistas de esportes
    Mandam ver na baixaria.

    — E prossegue o bacanal
    Em programas, em novelas
    Onde gente picareta
    Logo está nas passarelas…
    Que me digam os “big brother”
    As “Chuchas”, as “Cicarelas”…

    — O Sarney também “dançou”
    No espelho do Senado
    Com denúncias comprovadas
    E não foi penalizado
    Portanto, pró Jaqueline:
    Estou sempre do seu lado…

    — Parabéns para você
    Minha doce professora
    Que com 26 aninhos
    É a grande detentora
    De mestra mais conhecida
    Dessa classe sofredora.

    — Se fosse pesquisadora
    Professora exemplar
    Envolvida seriamente
    Com a arte de educar
    As rádios da baixaria
    Não iriam endeusar.

    — Parabéns pró Jaqueline
    Com o sucesso alcançado
    A armação foi perfeita
    O jornal tá do seu lado.
    Mas você desmoraliza
    O nosso professorado.

    — Gostei do jornal A Tarde
    Que manteve a sua ética
    Não deu vez a professora
    Pagodeira, “analfabética”
    Que usou a Educação
    De maneira tão patética.

    — Quero que ela ensine
    Como podemos gravar
    Uma cena bem erótica
    E em seguida divulgar
    Nos jornais, na internet
    E depois ser pop star.

    — Parabéns às emissoras
    De rádio e televisão
    Revistas, blogs e jornais
    Que não deram atenção
    A professora maluca
    Que não ama a Educação

    — Cuidado professorinha
    Não se empolgue com a fama.
    Todos querem te usar
    Na imprensa e na cama.
    E no fim de tudo isso:
    Tu verás o mar de lama.

    — A Jaqueline assumiu
    Que estava embriagada:
    Duas garrafas de uísque
    E cervejinha gelada.
    Só não sabemos se ela
    Estava também “cheirada” !

    — Jaqueline, minha amiga
    Respeite Emilia Ferreiro
    Bety Coelho, Olga Mettig
    E todo grande celeiro
    De professoras que honram
    Nosso povo brasileiro.

    — Respeite as educadoras
    Da Rede Municipal
    Escolas particulares
    E da Rede Estadual
    Curso pré-vestibular
    Faculdades em geral.

    Eu contemplo a hipocrisia
    Para não ser execrado.
    Vão dizer que sou careta
    Caipira e ultrapassado.
    Então deixo que o povo
    Julgue o certo e o errado.

    FIM

    Salvador, final de agosto de 2009.

  • outubro 11, 2009 em 10:34 pm
    Permalink

    Boa Anonimo!!

  • outubro 11, 2009 em 10:36 pm
    Permalink

    Palavras da senhora Laila!

  • outubro 12, 2009 em 6:37 pm
    Permalink

    Vem minha flor, vem que eu acabo com seu mau humor, vem… Meu irmão, eu nunca dispenso uma mulher, mesmo feia, invejosa e imbessíl como essa!

    Realmente ela tem cara de homem mesmo… Mas eu só “traço” se for mulher, vou logo avisando!

  • outubro 13, 2009 em 6:49 am
    Permalink

    Pelegrini, fico tanto tempo sem aparecer, que quando chego, quero responder a tudo… Mas creio que minhas companheiras já disseram tudo nesse post… Tenho pouquíssimo a acrescentar… Só que prostituição existem em todo lugar, inclusive em países de primeiro mundo… O que ocorre no Brail é que muitas garotas da classe baixa sonham em mudar de vida, em ascender socialmente por intermédio do sonho romântico do príncipe encantado que as salvará da pobreza e miséria! E ai mora o perigo… Elas se relacionam com os estrangeiros embaladas por essa fantasia e eles não… Elas não são prostitutas e por isso, não cobram e pra eles é cômodo e confortável ter uma garota disponível, que servirá de guia turística na cidade, que não deixará que eles sejam explorados e a custo praticamente “zero”, pois eles só pagam os ônibus e lanches, afinal “eles são os namorados delas”, já que passeiam de mãos dadas e vão a todos os lugares”… Isso é bem diferente de prostituição! Embora eles “as usem”, elas não cobram… Elas sonham em uma vida juntos! Essa relação não acontece na Europa, nem nos Estados Unidos!

  • outubro 13, 2009 em 6:52 am
    Permalink

    Errata: Prostituição existe em todo lugar e não “existem” como saiu no comentário acima!

  • outubro 13, 2009 em 8:06 am
    Permalink

    Gostei do seu comentário Elena, a grande verdade é essa. Nossas garotas vivem um sonho de contos de fada, mas nem sempre aparece o “príncipe encantado”.
    Na maioria das vezes, esses estrangeiros que vêm aqui em busca de sexo fácil são iguais ou piores a essas chamadas prostitutas.

    Abraço.

  • janeiro 21, 2010 em 12:42 am
    Permalink

    ESSA COISA RIDICULA QUE FALOU ISSO DO BRASIL SO PODE TA BRINCANDO E REVOLTADA QUANDO FALA ISSO DO BRASIL UM DIA TINHA QUE SAIR UM DIA ESSA PANELINHA QUE SE TORNOU A OLIMPIADAS ENTRA EUROPA E ESTADOS UNIDOS E EUROPA E ESPERO QUE A PROXIMA VEZ SEJA A AFRICA TAMBEM E A HISTORIA QUE E A PESSOA TEM ORGULHO OU DIGNO DE PREMIO NOBEL DE SER GAY E PURA BOCA PRA FORA NUNCA OUVI FALAR QUE UM GAY QUE QUE SEU FILHO SEJA GAY É DEUS QUE SABE ALGUM RETORNO MEU EMAIL É crenatofontes@bol.com.br

  • janeiro 21, 2010 em 3:39 am
    Permalink

    Sr. Carlos Rento Fontes, a quem o sr. está se referindo?

  • janeiro 21, 2010 em 10:56 am
    Permalink

    Ismário, aos pouquinhos as gurias da FACOM estão voltando. Lembra delas? São aquelas do GVF.
    A lina e a Mille já estão na área, disfarçadas de Dr. Kremildes e a sua pelêga Ana Maria.

    Pelegrini, poderia ligar a tecla SAP? Não entendi o Sr. Carlos Renato Fontes ( o “porretão” ).

  • dezembro 21, 2012 em 6:16 pm
    Permalink

    aff o brasil faz por merecer só liga pra bunda e putari.a , onde funk é cultura , quer o que ? essa é a imagem refletida para os países estrangeiros agora cala a boca

  • agosto 13, 2014 em 4:13 pm
    Permalink

    Pois é: a primeira reação, e muito natural, é de revolta. Mas depois que vc pensa um pouco, percebe que é essa a imagem que a imensa maioria dos estrangeiros tem do Brasil. Mesmo entre os europeus, que são cultos. É claro que os estadunidenses são ignorantes e estúpidos, muito parecidos com os brasileiros, afinal, queremos imitá-los em tudo, não é mesmo? Mas é engraçado: como são hipócritas! Há mais de cinco décadas que Hollywood vende a imagem de que todas as americanas são prostitutas. É, isso mesmo. Na grande maioria dos filmes da década de 70 e 80, a mulher conhece um rapaz num bar, lança-lhe um olhar lânguido e na próxima cena já estão na cama. Mas, voltando ao assunto, como alguém aí já mencionou, é “nossa” própria culpa a imagem de paraíso do turismo sexual. Concordo também com o que a Marcinha disse, exceto de que o Brasil seja um país sério. Charles de Gaulle que o diga.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *