O POLÍTICO ADAILTON FRANCISCO, EM ARTIGO AO SITE “COM DENDÊ”, DIZ QUE ‘MORALIDADE PASSA LONGE DA GESTÃO JAIRO BAPTISTA’

O ex-vereador e ex-candidato a vice prefeito de Valença, Adailton Francisco, escreveu artigo ao site “Com Dendê” onde explana sobre a gestão desastrosa do atual prefeito Jairo Baptista, desde o abuso na Súmula Vinculante 13 até um decreto declarando situação de emergência ao município, sendo desnecessário, pois até o momento o município sequer esboçou ajudar alguém por algum ataque de fenômeno natural.

Segue o texto abaixo de Adailton Francisco, transcrito do site Com Dendê:

“Valença que tem muitas riquezas, povo hospitaleiro e trabalhador está perdendo as esperanças de dias melhores devido a gestões desastrosas, pois as práticas político-administrativas continuam as mesmas e os problemas só se agravam. Os mandatários continuam os mesmos, só mudando de siglas partidárias, e, nos bastidores, continuam unidos e ditando a gestão pública do município.

Jairo e Joailton foram os escolhidos pelo povo valenciano no último pleito eleitoral, com a maior votação da história de Valença, fazendo um discurso lastreado na boa aplicação dos recursos públicos e na honestidade. O povo acreditou.

Depois de dez meses de governo, esse discurso se esvaziou e o que se percebe nos quatro cantos do município é um povo decepcionado com a gestão de JJ, por exemplo, “a tão mencionada Súmula Vinculante do STF n° 13, pelo prefeito, pode até dar legalidade a várias nomeações, mas moralidade passa longe desse governo.”

O cidadão valenciano, ao abrir o diário oficial do município, fica estarrecido com determinadas publicações. São suplementações orçamentarias, dispensas de licitações, nomeações, aditivos em contratos, a exemplo do contrato do lixo que passou a custar R$ 954 mil reais por mês. E se não bastassem, no último dia 12 de novembro, foi publicado o Decreto Nº 4.277/2021 –que declara situação de emergência no município de Valença, Bahia, atingido pelas fortes chuvas que causaram condições de anormalidade que comprometem substancialmente a capacidade de resposta da municipalidade, e da outras providências.

Este Decreto entrará em vigor na data de sua publicação, devendo vigorar por um período de 180 (cento e oitenta) dias.

Resta agora aguardarmos o posicionamento da câmara de vereadores. O decreto é um ato do Poder Executivo que não passa pela aprovação do Poder Legislativo. Já as mudanças no orçamento acontecem por meio de suplementação orçamentaria e dependerá da aprovação da maioria dos vereadores, ato pelo qual o prefeito irá destinar recursos para as dispensas de licitações em cumprimento do tal decreto, pois não acredito que os governos Estadual e Federal reconhecerão esse estado de calamidade do município, restando apenas a aplicação de recursos do orçamento municipal.

Alguns questionamentos e investigações serão indispensáveis por parte dos vereadores, tais como: analisar o parecer jurídico emitido pela Procuradoria Jurídica do município que embasou tal decisão do gestor, verificar se tal ato tem segurança jurídica, bem como analisar o parecer técnico elaborado pelo Conselho de Defesa Civil do município e saber quem são os componentes desse colegiado quem tem conhecimento técnico sobre o assunto e o percentual de representantes da gestão municipal no Conselho.

Diante dos últimos acontecimentos, parece que a conta chegou. Investidores não estão preocupados com os meios e caminhos; querem receber com as devidas correções o que foi investido. Enquanto isso, o povo que acreditou nas mudanças continua lamentando e sofrendo.

Valença decidida, Valença nunca vencida!” (Fonte: Com dendê)

Sem comentários.

Deixe uma resposta