No “Nazismo de esquerda” se escondem a ignorância e a covardia

Por Mauricio Sena

Até bem pouco tempo a direita ainda defendia o regime nazista naquilo em que parecia ter triunfado; um aparente sucesso na condução da política econômica e na exacerbação do nacionalismo. Com o passar do tempo e conhecimento do horror que foi o regime e holocausto promovidos pelo “nacional-socialismo” a narrativa da direita se dividiu entre aqueles que ainda negam, entre os que honestamente se distanciaram mesmo se mantendo à direita do espectro político e os que saíram do polo defensivo e insistem em inventar ou deturpar raízes contraditórias do surgimento do nazismo com a intenção de fabricar justificativas para transferir ao pensamento de esquerda essa paternidade. O principal argumento desses que defendem ser o nazismo de esquerda reside no uso e significado do termo socialismo.

O nazismo nasceu de um sentimento nacionalista, supremacista e imperialista antigo existente no seio da sociedade germânica que se somou a revolta com as condições consideradas humilhantes impostas pelo Tratado de Versalhes após a primeira guerra. O berço foi a esquisitíssima sociedade Thule frequentada pela elite conservadora alemã que além do ocultismo e misticismo, cultuava o antissemitismo, a xenofobia e a superioridade do homem alemão. Foi na Thule que Hitler conheceu o seu primeiro mentor, Dietrich Eckart. O partido dos trabalhadores alemães (DAP) depois transformado no partido nacional socialista dos trabalhadores alemães (NSDAP, partido nazista) foi ocupado e tomado pelos “nazi” um ano após sua fundação e os socialistas, apelidados de “sozi”, expulsos ou assassinados. Enganam-se aqueles que acreditam que as primeiras vítimas do nazismo foram os judeus, apesar do antissemitismo ser fundamento do regime, os exterminados e perseguidos inicialmente foram os “bolchevistas” (como eles se referiam aos comunistas) e os “marxistas” (como se referiam aos social-democratas), tanto na tomada do DAP no inicio da década de 20 como também na chegada ao poder em 1933.

O uso do termo nacional-socialista não se confunde de forma alguma com o socialismo da doutrina política. Hitler não reconhecia os socialistas, em entrevista ao The Guardian em 1923 o futuro fuhrer da Alemanha claramente diz que é preciso tomar o termo dos revolucionários bolcheviques, que na sua visão, não representavam o verdadeiro socialismo;

“Comunismo não é socialismo. Marxismo não é socialismo. Os marxistas roubaram o termo e confundiram seu significado. Eu vou tirar o socialismo dos socialistas.”

 “O socialismo é uma antiga instituição ariana, germânica. Nossos ancestrais alemães mantinham certas terras em comum. Eles cultivavam a ideia do bem comum. O marxismo não tem o direito de se disfarçar de socialismo”

Na obra “Mein Kampf”, livro cujo primeiro volume foi escrito na prisão após tentativa fracassada de golpe de estado, episódio conhecido como putsch da cervejaria, Hitler retrata sua disposição em acabar com comunistas e social-democratas (bolchevistas e marxistas), além de disseminar as teses antissemitas, racistas e de ampliação do espaço vital, todas elas defendidas pela direita conservadora alemã. Nesse infame diário o líder nazista debocha com aqueles que classificam sua teoria como de esquerda;

“Quantas boas gargalhadas demos à custa desses idiotas e poltrões burgueses, nas suas tentativas de decifrarem o enigma da nossa origem, nossas intenções e nossa finalidade! A cor vermelha de nossos cartazes foi por nós escolhida, após reflexão exata e profunda, com o fito de excitar a esquerda, de revoltá-la e induzi-la a frequentar nossas assembleias; isso tudo nem que fosse só para nos permitir entrar em contato e falar com essa gente.”

Enquanto a república de Weimar se reerguia do caos causado pela primeira guerra e a economia dava sinais de recuperação o partido nazista acumulava fracassos eleitorais, era um partido insignificante até a crise de 1929 que mudou completamente o panorama político alemão. A partir daí o clima de instabilidade econômica se tornou a plataforma que alçou os nazistas ao poder mesmo Hitler não tendo vencido as eleições para presidente em 1932. Perdeu para o General Hindenburg, um aristocrata de direita que apesar de vitorioso não resistiu a coerção política e acabou nomeando Hitler Chanceler em janeiro de 1933, abrindo caminho para a ditadura consentida Nazista.

Hindenburg e Hitler: Líderes da direita alemã

No incêndio do Reichstag, fato recheado de mistério que ocorreu logo após a assunção da chancelaria, os nazistas encontraram o que procuravam. A narrativa que incriminara um militante comunista de esquerda além de resultar na concessão de poderes supremos com a Lei Habilitante lhe deu justificativa e apoio para mais uma vez caçar os seus adversários, comunistas e social-democratas. Mais de 3.000 pessoas presas e centenas assassinadas.

Diante da documentação e recuperação de fatos históricos manter a afirmação de que o nazismo é de esquerda se torna insustentável, é quando a ignorância se transforma em má-fé e esta é filha da desonestidade. Essa tese não passa de uma tentativa desesperada de fanáticos reescrever a História. O partido nazista era protegido por milícias de direita, nasceu numa sociedade conservadora de direita, professava teses imperialistas e ultranacionalistas de direita, no parlamento sentava ao lado dos conservadores de direita, perseguiu e matou militantes e parlamentares de esquerda. Em vídeo institucional a embaixada alemã no Brasil afirma ser o nazismo um regime de extrema direita e assim ele está registrado no museu do holocausto em Israel. Governos de direita na Alemanha assim reconhecem o Nazismo.

A esquerda possui a obrigação de denunciar Stálin pelas atrocidades que cometeu tanto quanto a direita possui com os nazistas. Esquivar-se é uma opção resultante do fracasso de não se reconhecer o limite da compreensão humana sobre a política. Não pretendo comparar o stalinismo e o nazismo como faces opostas de uma mesma moeda, são coisas completamente distintas, Stálin foi um ditador sem escrúpulos que dizimou adversários pela sede de poder enquanto Hitler tinha o genocídio e higienismo social como projeto de nação. Ambos foram trágicos, cada um com sua intensidade e maneira. Um à esquerda e outro à direita!

https://pt.wikipedia.org/wiki/Partido_Nacional-Socialista_dos_Trabalhadores_Alem%C3%A3es

https://epoca.globo.com/artigo-como-hitler-desmente-os-comentaristas-da-internet-23080252

https://g1.globo.com/mundo/noticia/2019/04/02/nazismo-e-de-direita-define-museu-do-holocausto-visitado-por-bolsonaro-em-israel.ghtml

https://www.youtube.com/watch?v=R7GiXWZBgOw

https://brasilescola.uol.com.br/historiag/o-nazismo-era-esquerda-ou-direita.htm

https://super.abril.com.br/historia/thule-precursora-do-nazismo/

https://revistamaquiavel.com.br/nazismo-socialismo-direita-e-esquerda-ec3621d0c6a3

https://www.polemicaparaiba.com.br/politica/hitler-gargalhava-quando-o-nazismo-era-confundido-com-a-esquerda-por-joao-carlos-magalhaes/

2 Respostas para No “Nazismo de esquerda” se escondem a ignorância e a covardia

  1. Edson F abril 5, 2019 às 2:33 pm #

    No final o autor do artigo fez um ‘mea culpa’ pra livrar o socialismo. Deve ser um leninista, trotkista ou outra corrente que não o stalinismo. Sim, socialistas divergem muito entre eles.

    O autor tenta citar o Mein Kampf pra justificar sordidez nazista e vitimizar os seguidores de Marx.

    Mas o autor se esquece de citar o acordo do Hitler com o Stalin pra invadirem e dividirem a Polônia na Campanha de Setembro em 1939.

    Nazismo, Fascismo e Socialismo são tudo farinha do mesmo saco. Todos tem em comum o autoritarismo, líderes carismáticos, ditadura, a não liberdade de imprensa, cunhou-se o desarme do povo nos 3 regimes, escassez (fome) e massacre fratricida. Todos eles não toleravam os liberais. O pensamento dos 3 regimes era igual com um estado totalitário, forte e paternalista. Exaltação ao discurso ufanista insuflador da juventude nos 3 regimes era outra coisa em comum. A única diferença era a abolição da propriedade privada no Socialismo. É idiota chamar o Nazismo e fascismo de direita tb, pois ambos possuiam um estado forte e a direita – liberal – quer mesmo o mínimo de estado, ou seja, um estado minarquista.

    O Socialismo do Stalin, Mao, Che, Pol Pot e outros matou muito mais que o Nazismo. Fato. E muito mais que o Fascismo do Mussolini.

    Tem que ser muito ignorante em História, mal intencionado ou idiota/inocente útil pra defender qualquer um dos 3 regimes. Nenhuma diferença faria se fossem de esquerda ou direita. Submeter o próprio povo ao exposto acima mandando opositores pra paredões, gulags, campos de concentração, confiscando alimentos ou matando de fome propositalmente é desumano. Por isso, já estão no lixo da História da humanidade os líderes dos 3 regimes acima e mais os perpetuadores desses regimes. Ainda tem quem defenda o Socialismo hj em dia mesmo depois que esse sistema matou 85 milhões de pessoas. Ainda tem gente com a cara do monstro do Che Guevara estampada na camisa. Ditaduras são sempre umas merdas! Sejam de qual ideologia forem!

    “A esquerda possui a obrigação de denunciar Stálin pelas atrocidades que cometeu tanto quanto a direita possui com os nazistas. ”

    Engraçado né sr autor? É proíbido, é crime exibir no Brasil uma camiseta com a suástica mas é liberado exibir uma camiseta com o rosto do Che Guevara, frases do Gramsci e outros. O Socialismo matou muito, mas muito mais mesmo que o Nazismo. Por que é liberado andar com camisa com a foice e o martelo então?

    O autor parece daqueles que afirmam que o Socialismo de verdade nunca foi implantado e que os regimes socialistas tentados no mundo foram distorções da filosofia marxista.

    É enojante ler a hipocrisia no site do PSOL :

    “a defesa do socialismo com liberdade e democracia deve ser encarada como uma perspectiva estratégica e de princípios. ”

    http://psol50.org.br/partido/programa/

    Hipócritas! Não existe Socialismo sem ditadura, sem cercear a liberdade do povo e da imprensa!

    Todos os grupos de luta armada do Brasil divergiam entre si. Eram várias correntes de esquerda, mas o que eles realmente queriam era implantar a ‘ditadura do proletariado’. Isso tem 3 videos no Youtube em que 3 membros da luta armada deixam isso bem claro: Gabeira, Eduardo Jorge e Vera Sílvia.

  2. BOLSONARO PRESIDENTE abril 5, 2019 às 4:43 pm #

    E o PT denuncia o Maduro da Venezuela???? Fala aí blogueiro!

Deixe uma resposta