UM CRIME MISTERIOSO EM VALENÇA

image Um crime virou mistério em Valença; um adolescente de 14 anos foi morto com um tiro na cabeça, e ninguém sabe quem executou o disparo, sabendo que no momento haviam três pessoas (comerciantes) no local, inclusive o pai do garoto chegou no momento da tragédia.

Os três comerciantes são acusados do crime. Pelo que contam, um deles fez o disparo, mas até o momento ninguém acusou ninguém. Dizem que o pai do garoto no momento em que abaixou-se para pegar o filho também foi ameaçado.

O crime ocorreu por volta das 23 horas do dia 27, em um local bastante perigoso para aquele horário. Temos uma pergunta no ar: O que um garoto de 14 anos estava fazendo num lugar desse a essa hora? Também o que esses três comerciantes estavam fazendo em suas lojas nesse horário, sabendo que aquele local é bastante perigoso?

A policia de Valença investiga o caso.

2 Respostas para UM CRIME MISTERIOSO EM VALENÇA

  1. Mariana maio 1, 2009 às 5:51 pm #

    É muito triste saber que não existe mais traquilidade em nossa cidade, a última vez que estive em Valença quando saia sozinha de carro minhas pernas tremiam de medo, são tantos os casos, tanta violência.. que é mesmo pra se preocupar! Já basta o perigo daqui de Salvador, lembro que ia pra Valença buscar PAZ, TRANQUILIDADE sair com os amigos sem receio! Hoje em dia nem lé e nem cré!

    Senhor Prefeito Ramiro, está na hora de tomar atitudes! Tá esperando o que?

  2. José da Hora maio 13, 2009 às 1:24 am #

    Sobre UM CRIME MISTERIOSO EM VALENÇA

    Caro Pelegrini,
    Sobre o caso você faz 02 (duas) interrogações e logo após diz: A polícia de Valença investiga o caso.
    É por aí mesmo, por meio de inquerito a policia procura provar duas coisas: a) a materialidade da infração, isto é, que houve, de fato, uma infração a punir; b) a autoria da infração, isto é, quem a cometeu e é responsável por ela. Neste trabalho, a materialidade fica provada pelo corpo de delito, direto ou indireto, ou seja, o cadaver, no caso de homicidio; o documento adulterado no caso de falsificação; a droga apreendida, no caso de entorpecente, e assim por diante, conforme laudo médico-legal ou técnico, juntado aos autos e assinado pelos perítos oficiais. A autoria, por sua vez, fica provada pelo flagrante, se houve; pela confissão do próprio autor, por testemunhas de vista, ou por indícios veementes que levem à conclusão da responsabilidade do suspeito.
    O interessante é que para muitos que tiveram acesso ao seu comentário ficaram a perguntar e aí!
    Bem, os autos do inquérito policial neste período de silêncio para muitos, está se formalizando ja que neste caso não se pode trabalhar com o auto de flagrante, terá inicio pela portaria do delegado, mandando dar início à apuração da infração; as declarações da vítima, se houver; o laudo de exame pericial, médico-legal ou técnico; os depoimentos das testemunhas; as declarações do indiciado ou acusado; sua identificação e folha de antecedentes; o boletim pessoal, individual, e, finalmente, o relatório do delegado de polícia, finalisando o trabalho da polícia.
    Pronto, terminado o inquerito policial, serão os autos enviados ao forum criminal. O Juiz de posse do inquérito policial, fornece à vista do Ministério Público quando então o Promotor denuncia ou não o acusado, já como réu, dando início à ação penal, que termina com a sentença do juiz criminal, condenando ou absolvendo o réu.
    Portanto, leitores do blog do Pelegrini tudo isso foi dito para no final dizer:O inquerito policial em nosso sistema penal é a base da ação penal que virá depois, sendo parte importante do processo criminal, embora suas conclusões não sejam definitivas, podendo ser alteradas pelas novas provas, favoraveis ou desfavoráveis ao réu.
    Por fim,os casos como este que gerou grande comoção social, uma vez concluindo a Promotoria pela denuncia do acusado, a caso normalmente vai a juri popular.
    Então Pelegrini, só no final de todo esse trabalho suas interrogações ou perguntas serão respondidas, ja que a policia está trabalhando no caso.

Deixe uma resposta