SEGUNDO DELEGADO DA PF, BOLSONARO QUERIA QUE CONCLUSÃO DA FACADA FOSSE ACUSANDO PARTIDOS POLITICOS

O delegado da Polícia Federal Rodrigo Teixeira, ex-superintendente da corporação em Minas Gerais, avalia que foi exonerado do cargo, em fevereiro do ano passado, por contrariar o desejo do presidente Bolsonaro e de seus filhos na condução da investigação sobre a tentativa de assassinato do então candidato presidencial na eleição de 2018. Ele acredita que o clã Bolsonaro demonstrava interesse de que a apuração chegasse à conclusão de que o autor da facada, Adélio Bispo de Oliveira, tinha sido financiado por partidos políticos ou uma organização criminosa.

O presidente voltou a cobrar um novo rumo nas investigações após demitir Mauricio Valeixo da direção-geral da PF e nomear Alexandre Ramagem para o cargo – nomeação cancelada por Bolsonaro nesta quarta-feira, 29, após a decisão liminar do ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre Moraes. (Estadão)

Sem comentários.

Deixe uma resposta