ZÉ DA HORA RESPONDE AS QUATRO PERGUNTAS DO LEITOR AILTON AZEVEDO

imageAmigo Pelegrini,

Mais uma vez o seu blog faz barba e cabelo à concorrência e presta um grande serviço à comunidade.

Pode sempre contar com a minha colaboração e disponibilidade em iniciativas que sejam feitas ao serviço do nosso povo, longe de fofocas e guerras particulares que a nada conduzem.

Habitualmente os “políticos” não gostam de falar de compromissos objetivos, que mais tarde lhes possam ser cobrados, mas eu gosto de me comprometer, gosto de assumir responsabilidades e de lutar por coisas concretas.

Não vou, por isso, fazer uma declaração chata, longa, teórica e genérica, mas antes comprometer-me a defender três ou quatro propostas, em relação a cada pergunta, na Assembléia Legislativa e, com a influência que o cargo me dará, junto a todas as entidades que possam ajudar a resolver os problemas.

O que você fará para apoiar e incentivar o turismo na região?

Vou começar pelo fim, pela questão relacionada com o turismo, que é um assunto que me toca muito em especial.

O Baixo Sul atravessou uma década de intensa atividade turística, mas foi muito sentida a falta de uma estrutura de apoio estadual que tivesse uma dupla função:

Por um lado divulgar a região, as nossas belezas e riquezas naturais junto dos grandes grossistas turísticos nacionais e estrangeiros, e,

Por outro lado  apoiar os micro e pequenos empresários das áreas ligadas à atividade turística, na definição dos seus investimentos, na busca dos financiamentos de que eles carecem, na organização dos seus serviços e ofertas, e na criação de uma “marca regional” que pudesse ser utilizada por todos quantos estão ligados ao turismo.

Acompanhando o crescimento turístico foram criadas algumas estruturas como o Aeroporto de Valença, em que estive pessoalmente envolvido, ou algumas incitativas tiveram lugar, como por exemplo a implantação do serviço de lancha-táxi para as Ilhas de Tinharé, que foi criado por mim.

Agora, comprometo-me como Deputado Estadual, a pleitear pela implantação de uma gerência regional da Secretaria de Turismo do Estado da Bahia, que,  como órgão técnico, venha potencializar o aproveitamento turístico da região, pelo aconselhamento ao mundo empresarial, e, como órgão de informação, aproveite a rede nacional de divulgação turística, em articulação com as Secretarias de Turismo dos outros Estados e do Governo Federal, para a divulgação interna e externa do Baixo Sul como destino turístico.

Como Deputado Estadual, comprometo-me a lutar junto das entidades responsáveis pela melhoria da nossa rede viária, incluindo a construção de acostamentos em toda a sua extensão, pela melhoria e desenvolvimento dos portos de toda a região, com melhores condições para as embarcações e para os passageiros, e da revitalização e pleno funcionamento do Aeroporto de Valença, com uma guarnição própria do Corpo de Bombeiros, como unidades de apoio à atividade turística e empresarial.

Como Deputado Estadual, comprometo-me a lutar pela criação de benefícios fiscais que atraiam mais investimento nesta atividade, proporcionando assim mais postos de trabalho e mais riqueza para o povo da nossa região.

O que você fará para ajudar os estaleiros navais da região?

Os estaleiros navais do Baixo Sul atravessam uma crise sem precedentes na sua longa história, especialmente provocada pela crise da madeira, provocada por um decreto federal de 1993, que proibiu o corte de qualquer madeira proveniente da Mata Atlântica, sem que fosse encontrada uma alternativa sustentável e economicamente viável para a questão

Medidas desta natureza foram encontradas em outras regiões do Brasil, notadamente no Estado do Pará, o que permite a continuação da atividade madeireira, e onde os nossos construtores se vêem obrigados a comprar a matéria prima que lhes é essencial.

Como Deputado Estadual comprometo-me a lutar pela elaboração de legislação específica para esta área, que permita que a nossa região, o nosso Estado, produza a matéria prima de que os nossos estaleiros necessitam, sem terem necessidade de comprar noutros lugares.

Como Deputado Estadual comprometo-me a lutar para conseguir que, enquanto aquela legislação não for aprovada, e os seus efeitos sentidos, o Banco do Nordeste – em cuja implantação na região estive pessoalmente envolvido -  como meio de fomento, possa contribuir de forma adequada para o financiamento da compra das madeiras legais indispensáveis para que os nossos artesãos continuem a sua atividade.

Deixei para o final as questões relativas ao ensino profissional e às novas indústrias, porque elas tocam em todas as áreas, e afetam toda a população da nossa região.

Como pode qualquer atividade econômica progredir, sem ter acesso a pessoal habilitado profissionalmente ao cumprimento das tarefas quotidianas, à utilização das novas ferramentas?

Para que serve preparar profissionais para o desempenho de tarefas próprias de uma indústria transformadora de olivas, se não existem oliveiras no Baixo Sul?

Para quê gastar tempo e dinheiro a formar técnicos em fabrico de calçado, se não existe nenhuma indústria de sapatos na nossa região?

Não se pode olhar para a questão da formação profissional sem ter em vista quais são as necessidades, em pessoal especializado, da indústria, comércio, turismo e agricultura do Baixo Sul.

Quais são as indústrias que se pretendem instalar na região, e o que podemos oferecer-lhes de modo a cativar a sua atenção e preferência?

O que você fará para dinamizar o ensino profissional na região?

A Bahia tem fortes tradições no ensino profissionalizante, já que foi dos poucos estados a apoiar o Presidente Nilo Peçanha, quando, em 1909, ele criou a Rede Federal Profissional e Tecnológica, mas, infelizmente, passados mais de 100 anos, a mensagem visionária deste político, ainda não chegou ao nosso Baixo Sul.

Numa primeira análise facilmente se detectam necessidades específicas nas áreas da construção naval, turismo, pescas, transformação de produtos da pesca, construção civil e agricultura, em especial na produção e transformação de produtos agrícolas tradicionais, incluindo o dendê, a pimenta, o guaraná, o cacau, entre outros

Como Deputado Estadual comprometo-me a lutar pela implantação de um pólo da Secretaria de Ciência e Tecnologia na região, capaz de desenvolver um ensino adequado às necessidades locais.

Como Deputado Estadual comprometo-me a lutar para que as diversas Secretarias do Estado façam um levantamento das necessidades da Indústria, do Comércio e da Agricultura, e ofereçam um conjunto de propostas de ensino e formação profissional que venha suprir as necessidades concretas das regiões urbanas e rurais.

Como Deputado Estadual lutarei pela instalação imediata de uma horta comunitária onde os nossos pequenos agricultores possam aprender as técnicas adequadas às plantações hortícolas, passando a produzir na nossa região as toneladas de verduras que diariamente são adquiridas a produtores de outras regiões, nomeadamente de Feira de Santana.

O que você fará para incentivar a fixação de novas indústrias na região?

Existem três grandes áreas de extrema sensibilidade quando um empresário escolhe uma região para investir na construção de unidades fabris ou comerciais, e um Deputado Estadual tem que estar atento a elas.

Já falamos na questão anterior da necessidade de implementar o ensino profissional, adequado às necessidades da região, mas essas necessidades não são apenas as que existem no momento: são também aquelas que se tornarão necessárias se uma nova indústria ou comércio se vier a instalar no Baixo Sul.

As autarquias, o pólo regional da Secretaria da Ciência e Tecnologia, as restantes Secretarias Estaduais, e todos os serviços devem colaborar na criação do suporte educacional que novos investimentos vão exigir, e preparar as respostas adequadas à demanda que se vai verificar

O Deputado Estadual deve colaborar ativamente com as prefeituras, independentemente da sua cor ou orientação política, no sentido de obter vantagens fiscais estaduais, e de apoiar as solicitações municipais na concessão de amenidades ao investimento.

O Deputado Estadual deve exercer toda a sua influência política junto dos meios empresariais, órgãos de governo e entidades ligadas a atividade produtiva, transmitindo com veemência as iniciativas que o Baixo Sul vai ter na criação de ensino profissional específico, na melhoria dos acessos marítimos, aéreos e terrestres, e na disponibilidade regional em receber afetuosamente novos investimentos, concedendo todos os apoios e facilidades que sejam, por lei, permitidos.

Fugindo um pouco às perguntas que foram postas, gostaria de referir que pretendo lutar para que sejam retomadas as discussões para a implantação no Baixo Sul, da Universidade Federal do Recôncavo – UFRB – e do campus da UNEB na área do ensino, da implantação do Corpo de Bombeiros e do Batalhão de Polícia Militar na área da segurança, do Centro de Hemodiálise, do Hospital, da Maternidade Regional, e do Samu 192 Regional, na área da saúde, do Centro de Apoio ao Menor em estado de abandono e risco e do Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC), na área social e das centrais de tratamento de esgotos e de tratamento de lixos, na área do saneamento básico, entre outros.

Por hoje fico por aqui, sempre à sua disposição,

José da Hora

4 Respostas para ZÉ DA HORA RESPONDE AS QUATRO PERGUNTAS DO LEITOR AILTON AZEVEDO

  1. Victor Sousa agosto 31, 2010 às 10:01 am #

    Caros amigos,
    Não temos dúvidas de quem é mais relacionado e mais comprometido com o povo do que Zé a Hora.
    Poderia ter passado dispercebido esse tópico aqui no blog do Pelegrini, mas em respeito ao seu povo, ele dedica um pouco do seu tempo para atender a todos.
    Se ele tem essa atenção, é porque está antenado em tudo que acontece na sua cidade.
    Logo será o representante mais fiel e preprado.

    Abração,
    Victo Sousa

    Vote 45.444
    Zé da Hora – Deputado Estadual

  2. Manoel Contreiras agosto 31, 2010 às 11:45 am #

    Tenho observado que um leitor lançou algumas perguntas a todos os candidatos, mas até o momento só a resposta do candidato Ze da Hora foram mostradas. Onde estão as respostas dos outrtos candidatos, prendeu senhor administrador? OU SERÁ QUE LES NÃO RESPONDERAM? Isto é bem mais provavel, acho que os outros não responderam. Primeiro porque, Jorge Valença não ganha a eleição e nem conhece o teor das perguntas, a doutora Elizabeth nem disse pra que veio e o senhor professor Dário pensa que está eleito e não precisa se preocupar com nada mais, assim como a candidata Dilma que disse não mais virá mais ao nordeste nas eleições, sabe que a ração que os nordestinmos precisavam já foi dada, e agora descansam de barriguinha cheia até o dia das eleições.

    Senhor Ze da Hora considero-o como o melhor dos candidatos, o senhor é homem ilibado, tem familia que o ajuda, e respeita seus eleitores. Gostei das suas propostas, e notei o quanto senhor é sábio e seguro no que fala. Infelizmente nõa pudemos ler as propostas dos outrtos. Foi melhoir assim, talvez viessem asneiras demais por parte deles.

  3. helio agosto 31, 2010 às 4:11 pm #

    La vem Zé relógio prometendo o que nao pode fazer, queria mesmo que fosse eleito para o povo de Valença ficar esperando até a morte chegar. me poupe viu…. nao cuidou de Valença quando estava na prefeitura, imagine.

  4. Ailton Azevedo agosto 31, 2010 às 6:08 pm #

    Seu Hélio,

    Você parece ser um cara com sentido de humor, pois não perdeu a oportunidade de fazer graça com o nome do candidato José da Hora.
    Mas o que seria interessante era você dizer aquilo que o candidato se comprometeu a fazer, que não tenha feito.
    Piada com o nome de um amigo da casa que veio aqui dizer a todos nós o que se propõe fazer, e ainda por cima piada feita por um cara que tem nome de gás utilizado no enchimento de balões, não pode!!!

Deixe uma resposta