Morte do garoto queimado vivo em 2001 ainda não está solucionada

image

Único condenado pelo homicídio de Lucas Terra, o pastor da Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd), Sílvio Roberto Santos Galiza, ratificou integralmente, nesta quinta, em uma acareação realizada no Fórum Rui Barbosa, o depoimento que prestou em juízo em julho passado. Na presença de Fernando Aparecido da Silva e Joel Miranda, respectivamente pastor e bispo da Iurd, Galiza reafirmou a acusação de que foram eles os autores do crime.

Ao contar detalhadamente a sequência dos fatos ocorridos na data em que Lucas foi assassinado, e no dia seguinte, Galiza também apontou a participação de uma terceira pessoa, identificada apenas como Luís Cláudio, que trabalhava como segurança de Aparecido. Disse também que foi ameaçado pelos três e que teria sofrido uma tentativa de homicídio por envenenamento, na prisão.

Lucas Vargas Terra era obreiro da Igreja Universal no bairro da Pituba e sonhava em ser bispo ou médico porque queria ajudar as pessoas. Tinha 14 anos quando, no dia 21 de março de 2001, foi amarrado, amordaçado, esganado e colocado dentro de uma caixa de madeira. O garoto ainda foi queimado quando ainda estava vivo, na tentativa de que fosse escondida a evidência de que ele teria sofrido abuso sexual. Seu corpo foi encontrado carbonizado em um terreno baldio, na Avenida Vasco da Gama.

Informações – “Lucas presenciou algo que não deveria ter presenciado”, disse nesta quinta em juízo Sílvio Galiza. Ele afirmou que o garoto teria flagrado Fernando Aparecido da Silva e Joel Miranda durante uma relação homossexual – seria este o motivo do homicídio.

Na acareação com Joel Miranda, Galiza pediu para acrescentar novas informações. A juíza do processo, Marivalda Moitinho, no entanto, não permitiu por se tratar de uma acareação e não de uma coleta de depoimento.

As acusações de Galiza foram negadas por Fernando Aparecido e Joel Miranda. A estratégia da defesa é demonstrar a inocência do bispo e do pastor da Iurd, desqualificando o depoimento. “Galiza mente. Esta é a quarta versão que ele dá ao caso”, disse o advogado de Aparecido e Miranda, César Faria.

Fonte: A Tarde on line

Sem comentários.

Deixe uma resposta