DEM pede ao TSE para voltar a veicular vídeo com críticas à Wagner

 

Redação CORREIO

Após ter propaganda tirada do ar pelo TRE-BA, o partido Democratas fez pedido ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) para suspender a decisão. A propaganda veiculada em rádio e TV fazia críticas ao governo Wagner, e por isso o PT alegou ao TRE-BA que o DEM havia ultrapassado os limites do direito de crítica na propaganda partidária.
No vídeo, o DEM mostrava imagens de violência em Salvador e jogava a responsabilidade para governo do estado; Jaques Wagner foi acusado de falta de compromisso. Dessa vez, o DEM alega que a lei permite a crítica na propaganda partidária, e que os partidos não podem ser impedidos de divulgar os fatos, pois isso caracterizaria um sistema ditatorial.

PCdoB

Na tarde desta quarta-feira (21), em sentença da juíza Cíntia Rezende, o TRE-BA proibiu a exibição de uma propaganda partidária do PCdoB. No vídeo, membros do partido enaltecem ações do governo Jacques Wagner. A decisão foi tomada também em resposta a questionamento feito pelo DEM.

2 Respostas para DEM pede ao TSE para voltar a veicular vídeo com críticas à Wagner

  1. Lina outubro 22, 2009 às 8:00 am #

    Outro tema, mas lembrei-me muito de alguns políticos metidos a eruditos, dados à falação tola, repetitiva e ignóbil… Costumamos chamá-los de DATA VENHA, rsrs… Certamente ai em Valença há de ter esses tipinhos… Será?

    Este texto é dos melhores registos de língua protuguesa que eu tenho lido sobre a nossa digníssima ‘língua de Camões’, a tal que tem fama de ser pérfida, infiel ou traiçoeira. Um político que estava em plena campanha chegou a uma pequena cidade, subiu para o palanque e começou o discurso: – Compatriotas, companheiros, amigos! Encontramo-nos aqui, convocados, reunidos ou juntos para debater, tratar ou discutir um tópico, tema ou assunto, o qual me parece transcendente, importante ou de vida ou morte. O tópico, tema ou assunto que hoje nos convoca, reúne ou junta é a minha postulação, aspiração ou candidatura a Presidente da Câmara deste Município. De repente, uma pessoa do público pergunta: – Ouça lá, porque é que o senhor utiliza sempre três palavras, para dizer a mesma coisa? O candidato respondeu: – Pois veja, meu senhor: a primeira palavra é para pessoas com nível cultural muito alto, como intelectuais em geral; a segunda é para pessoas com um nível cultural médio, como o senhor e a maioria dos que estão aqui; A terceira palavra é para pessoas que têm um nível cultural muito baixo, pelo chão, digamos, como aquele alcoólico, ali deitado na esquina. De imediato, o alcoólico levanta-se a cambalear e ‘atira’: – Senhor postulante, aspirante ou candidato: (hic) o facto, circunstância ou razão pela qual me encontro num estado etílico, alcoolizado ou mamado (hic), não implica, significa, ou quer dizer que o meu nível (hic) cultural seja ínfimo, baixo ou mesmo rasca (hic). E com todo a reverência, estima ou respeito que o senhor me merece (hic)pode ir agrupando, reunindo ou juntando (hic) os seus haveres, coisas ou bagulhos (hic) e encaminhar-se, dirigir-se ou ir direitinho (hic) à leviana da sua progenitora, à mundana da sua mãe biológica ou à puta que o pariu!

  2. pelegrini outubro 22, 2009 às 8:28 am #

    Essa é muito boa Lina, excelente!

    Abraço,

    Pelegrini.

Deixe uma resposta