SORRIR, TEM QUE TER MOTIVOS

entrevista do fogueteiro 006 Aumentou o salário dos assessorer de vereador.

fogueteiro de ramiro 001Tem uns foguetinhos pra soltar.

sorrindo 009  Só eu catando latinha.

sorrindo 002Minha mamãe!

sorrindo 005  Estou no blog do Pelegrini.

sorrindo 012Como sou querido!

sorrindo 015Agora sou articulador de Wagner.

sorrindo 016Tomando sorvete do Pelegrini, fico feliz.

sorrindo 020Meu primeiro picolé.sorrindo 022Sorvete bom é aqui.

sorrindo 021Pelé, pelé, pelé, pelé Pelegrini… Gingle de Ricardão para minha campanha… hehehehe

sorrindo 010Sou feio, tenho que rir.

sorrindo 013Tô lôra!

sorrindo 014Je t’ aime Valença!

sorrindo 019 Toca Castanhola Dona Ana!sorrindo 023Ala Jovem do PMD

sorrindo 024  Eu tava la no churrasco dos pintores.

sorrindo 018Eu já sou uma piada.

Comentários { 4 }

Pelo menos 17 milhões de eleitores já venderam voto, diz Datafolha

 

Redação CORREIO

Pesquisa Datafolha divulgada na edição deste domingo (4) do jornal “Folha de S. Paulo” revela que cerca de 17 milhões de eleitores admitem já ter trocado voto por emprego, dinheiro ou presente. A pesquisa ouviu 2.122 pessoas em 150 municípios. Ela indica que, entre os entrevistados que admitiram ter vendido seu voto, 10% o fizeram em troca de emprego ou favor, 6% em troca de dinheiro e 5% em troca de presente.

O estudo revela, ainda, que 12% dos entrevistados dizem estar dispostos a mudar seu voto por dinheiro, 79% acreditam que os brasileiros vendem voto e 33% concordam com a ideia de que não é possível fazer política sem um pouco de corrupção. Além disso, 92% dos entrevistados disseram acreditar que existe corrupção no Congresso Nacional e nos partidos políticos. Para 88%, há corrupção na Presidência da República e nos ministérios.

Propina
A pesquisa mostra ainda que 94% dos entrevistados consideram errado oferecer propina, e 94% concordam ser repreensível vender voto. No Brasil, 13% ouviram pedido de propina, e 36% destes pagaram; 5% ofereceram propina a funcionário público; 4% pagaram para serem atendidos antes em serviço público de saúde; 2% compraram carteira de motorista; 1%, diploma.

Entre os entrevistados, 83% admitiram ao menos uma prática ilegítima ao responder a pesquisa (7% reconheceram a prática de 11 ou mais ações ilegítimas, admissão considerada ‘pesada’; 28% dizem ter praticado de 5 a 10 ações; 49% tiveram uma conduta ‘leve’, com até quatro irregularidades).

Pirataria
A pesquisa mostra que 31% dos entrevistados colaram em provas ou concursos (49% entre os jovens); 27% receberam troco a mais e não devolveram; 26% admitiram passar o sinal vermelho; 14% assumiram parar carro em fila dupla. Dos entrevistados, 68% compraram produtos piratas; 30% compraram contrabando; 27% baixaram música da internet sem pagar; 18% compraram de cambistas; 15% baixaram filme da internet sem pagar.

Mais ricos
São os mais ricos e mais estudados os que têm as maiores taxas de infrações (97% dos que ganham mais de dez mínimos assumem ter cometido infrações e 93% daqueles que têm ensino superior também), sendo que 17% dos mais ricos assumem frequência pesada de irregularidades (11 ou mais atos). Entre os mais pobres, 76% assumem infrações; dos que têm só o ensino fundamental, 74% afirmam o mesmo. Apesar disso, 74% dizem que sempre respeitam as leis, mesmo se perderem oportunidades. E 56% afirmam que a maioria tentaria tirar proveito de si, caso tivesse chance.

Comentários { 1 }

PERDEMOS MERCEDES SOSA

 

image“Todo poeta é um profeta…”

Comentários { 2 }

Denúncias e intervenções levam Judiciário baiano a crise histórica

 

Pleno do TJ da Bahia tem sido marcado por críticas dos desembargadores à atuação do CNJ

Pleno do TJ da Bahia tem sido marcado por críticas dos desembargadores à atuação do CNJ

Poucos meses antes de completar 400 anos, o Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), o mais antigo das Américas, mergulhou numa crise. Na lista de problemas recentes que abatem a instituição estão o comércio de sentenças supostamente comandado por um desembargador afastado semana passada. Tudo isso recai sobre a instituição em período pré-eleitoral, que caminha para ser em clima disputado e não tão sereno como foi o último, que elegeu a atual presidente Silvia Zarif por unanimidade.

Desde agosto do ano passado, o TJ-Bahia virou alvo de escândalos de corrupção, além de intervenções administrativas e inspeções promovidas pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Silvia Zarif admitiu que existe crise na instituição, mas ressaltou que esse é um problema de todo o País. “O Judiciário brasileiro vive uma crise, mas ela é geral, não particular nossa. Talvez nossa pelos anos  de intervenção do administrativo”,  explicou a  magistrada. Para o juiz Ricardo Cunha Chimenti, corregedor do CNJ, a Justiça da Bahia vive um momento de depuração. “Este é um momento de grandes mudanças, de depuração e de um recomeço”, analisou.
O inferno astral começou em agosto do ano passado, quando o MP Estadual e a Secretaria da Segurança Pública do Estado deflagraram a Operação Janus. Promotores e policiais denunciaram um esquema de venda de sentença judicial, com a suspeita de participação de magistrados. Depois de absolvidas pelo TJ-BA, as juízas Janete Fadul de Oliveira e Maria de Fátima Carvalho foram afastadas pelo CNJ, um ano depois, por graves indícios  de participação na Janus.
Antes mesmo que os escândalos de venda de sentença da Janus saíssem das manchetes dos jornais, uma nova denúncia de comercialização de decisões judiciais explodia no TJ-BA. Em setembro de 2008, a desembargadora Silvia Zarif levou ao tribunal pleno, a mais alta corte do Estado, um CD que continha uma gravação,  supostamente do filho do desembargador Rubem Dário Peregrino Cunha, negociando uma sentença do pai por R$ 400 mil. Após um ano, completados no mês passado, o desembargador também acabou afastado do cargo pelo CNJ e processado administrativa e criminalmente.

Em outubro de 2008, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) ingressou com uma ação no CNJ contra o chamado turnão do Judiciário, implantado pelo TJ-BA, que previa o funcionamento das varas apenas no período da tarde. Quando já se dava por certa a vitória da OAB no CNJ, o tribunal voltou atrás e assinou  um  acordo para as varas passarem a funcionar o dia inteiro.

Ainda em outubro, TJ-BA sofre outro golpe. Na ocasião, O CNJ realiza uma inspeção e o  relatório revela mazelas da  instituição, campeã de processos atrasados do País, com mais de 80 mil ações nas prateleiras, com excesso de prazos. Foram constatadas outras 42 irregularidades durante a inspeção.  O CNJ determina em outubro de 2008 a privatização dos cartórios extrajudiciais da Bahia, único tribunal do País em que as unidades cartoriais ainda eram estatizadas.
Tapetes persas – Fechando o ano de 2008, o CNJ suspendeu a licitação do TJ-BA para a compra de tapetes persas no valor de R$ 21 mil. O conselho considerou que o certame atingia o princípio da moralidade, já que os tapetes não eram objeto de primeira necessidade, enquanto faltavam até computadores para juízes.

O calvário da Justiça baiana continuou este ano, quando o TJ-BA comemora seus 400 anos de fundação. O Instituto Pedro Ribeiro de Administração do Judiciário (Ipraj), autarquia criada em 1984 para gerir o TJ-BA, foi extinto por determinação do CNJ, depois de ser considerado inconstitucional. A gota d’água para o fechamento do Ipraj, em agosto de 2009, foi a transferência de R$ 30 milhões de seu orçamento para a Secretaria da Fazenda, transação classificada como  ilegal.

Marcelo Brandão, do A TARDE

Fernando Vivas / Agência A TARDE

Comentários { 0 }

VEREADOR JORGE GÓES PREOCUPADO COM TERRORISTAS

image

Li no blog “Portal do Baixo Sul” http://portaldobaixosul.blogspot.com/, que o vereador Jorge Góes diz estar preocupado com as caixas d’águas que abastecem os povoados de Bonfim e Serra Grande, na zona rural de Valença. Diz o blog que ele disse que cada caixa d’água conta: “com apenas um funcionário, sendo que esses funcionários fazem a vigilância nos locais em apenas um turno diário. Os outros turnos os locais ficam sem nenhuma vigilância.” “Se algum maluco resolver colocar veneno nas caixas d’água, as pessoas que consomem essa água poderão ter graves problemas de saúde”, “alertou o vereador.”

Vereador eu falei com a Diretora do SAAE, Viviane, quais a possibilidades de alguém envenenar aquela água? Ela me disse que nenhuma. “Em primeiro lugar nós não estamos em uma zona de terrorismo, segundo: o local é seguro e bem monitorado, qualquer pessoal que adentre ao local será identificada.” Afirmou a diretora da autarquia.

Cuidado com o que fala vereador. Guarde suas picuinhas para outros momentos. O senhor falou em coisa que pode lhe trazer sérias complicações. Imagine se algum doido vai lá e contamina essa água mesmo, eu acho que quem vai ficar em maus lençóis é o senhor. Isso é indução ao crime.

Não esqueça que nós lhes pagamos para legislar em causa do povo, e não em causa própria.

Comentários { 10 }

UM ELEITOR DE RAMIRO

 

image

Comentários { 1 }

VALENÇA: POLÍCIA INTENSIFICA COMBATE AO CRIME

 

Investigadores da 5ª Coordenadoria Regional de Polícia (5ª Coorpin) prenderam, na periferia de Valença, o traficante Sebastião dos Santos, o Bastião, de 27 anos, envolvido com o tráfico de drogas no bairro do Mangue Seco. Na ação foram apreendidos 2,5kg de maconha, distribuídos em 324 trouxas e 15 dolões. Na Avenida Tancredo Neves, na mesma cidade, uma guarnição da PM prendeu e conduziu para a delegacia José Luiz Pereira Alexias, o Bibiu ou Tico, 24 anos, que tinha roubado um telefone celular de um adolescente. José Luiz tentou fugir montado numa bicicleta, mas foi perseguido por alunos de uma academia de ginástica, sendo alcançado, dominado e entregue aos policiais militares.

Fonte: Bahia Notícias

Comentários { 0 }

Mauricio de Sousa desenha homenagem à vitória do Rio 2016

Turma da Mônica comemora vitória do Rio como sede da Olimpíada

Redação CORREIO | Foto: Divulgação

O desenhista Mauricio de Sousa fez uma homenagem à vitória do Rio de Janeiro como sede das Olimpíadas de 2016. A ilustração traz os personagens da Turma da Mônica,além de Pelezinho e Ronaldinho Gaúcho’. Viva o Rio Olímpico!

‘Estou muito feliz e orgulhoso, como brasileiro, pelo fato de o Rio de Janeiro ter sido escolhido como sede dos Jogos Olímpicos de 2016. Agora é planejar o destino das estruturas a serem construídas. E torcer para que empresas do setor público e privado assumam desde já projetos pós-Olimpíada não só de esporte, mas também de arte, cultura e lazer’, declarou Mauricio em comunicado divulgado por sua assessoria de imprensa.

Comentários { 0 }