Archive | abril, 2016

COMEÇARAM A MOSTRAR AS UNHAS: FAMÍLIA COUTINHO DEBANDA DO GOVERNO DE JUCÉLIA

pmbParece que a família Coutinho do diretor da Ação Social, André Coutinho, debandaram do governo de Jucélia, olha que essa família quase toda tem cargos na prefeitura de Valença, a começar por André (pai), filhas diretoras de escolas, noras trabalhando em cargos de confiança e por incrível que pareça, peguei esse e-mail de Pitty, onde mostra quase todos da família como filiados do Partido da Mulher Brasileira (PMB), que ironicamente, apoia o pré-candidato Claudio queiroz.

Como será que vai ficar agora, será que André Coutinho, conhecido como carlista de papo amarelo, vai continuar ocupando cargo na prefeitura? E olha que, recentemente a prefeita fez uma homenagem à família colocando o nome de uma praça com o nome do saudoso Ari Coutinho, que é irmão de André.

Comentários { 8 }

SERRA GRANDE CELEBROU FESTA AFRO-BRASILEIRA

tatá

Mame´etu Odemina, durante a kizomba que antecedeu o culto aos caboclos

Localizado no distrito de Serra Grande, no município de Valença, interior do Estado da Bahia, Território do Baixo Sul da Bahia, o Terreiro Kunzo Nkisi Dandalunda Raíz do Caxuté, é extensão do Terreiro Caxuté no distrito de Maricoabo, no mesmo município.

O Terreiro Dandalunda tem como responsáveis a sacerdotisa Maria Balbina dos Santos (Mãe Bárbara) e sua mãe biológica a senhora Alzira Félix dos Santos (mame´etu ndenge Odemina) e Heráclito Barbosa (Táta Luangomina).

O Kunzo Dandalunda é o primeiro terreiro de candomblé fundado no distrito de Serra Grande, e além do mais é um terreiro de nação angola, culto inserido no Brasil pelos povos bantu nos primeiros períodos da escravidão. Neste terreiro as forças nativas dos caboclos têm espaço para sua manutenção e preservação ancestral.

Anualmente candomblecistas do Caxuté, visitantes e convidados participam desta importante celebração, a festa em homenagem ao Caboclo Rei das Neves, os caboclos são reconhecidos por muitos cultos de Matriz Africana, como o ancestral nativo, aquele cultuado só aqui em terras brasileiras.

No sábado os trabalhos foram iniciados com os rituais internos (visando purificar e abrir as atividades), na tarde do sábado a já tradicional “maionga” (banho sagrado) e a continuação dos trabalhos na cachoeira de Serra Grande, pedindo força a Nkisi Kisimbi (Ndadalunda – Senhora das águas). Na noite do sábado seguiram com a  kizomba de saudação aos Nkisis, o samba dos Caboclos (regido pelo caboclo mor Rei das Neves) e em seguida a kizókela (banquete) repartindo a comida sagrada, repleta de frutas e um grande churrasco de um boi (como já de tradição).

Domingo houve a “Gira de saberes” coordenada por Mame’etu Kafurêngá (Mãe Bárbara) que conduziu um diálogo sobre os costumes e tradições do Candomblé da Nação de Angola, @s candomblecistas do Caxuté e a comunidade presente apreenderam e praticaram alguns fundamentos ritualísticos, em seguida foi realizada o rito interno da jurema para energização dos fiéis.

Destacou-se a importância de filhos de santo, a exemplo da doutoranda em biotecnologia Cíntia Reis, da psicopedagoga Silvani  Nascimento; a Kátia Costa (graduanda em Administração e agente de saúde); o Táta kinsaba Sobodê (Jefferson Duarte Brandão), mestrando em educação do campo; Jacira Rodrigues, professora da rede municipal de ensino;  Rita de Cássia,  professora pós graduada em educação e tesoureira da Acultema (Associação do Caxuté), dentre outras que através de suas formações acadêmicas e experiências contribuem para a organização e assistência nas atividades que buscam pensar, em termos de preservação, as práticas comunitárias da Comunidade Caxuté.

Segundo informações da comissão cerca de 200 pessoas participaram das atividades do sábado, com maior à noite. A presença de crianças, adolescentes, jovens, adultos e idosos chamaram a atenção dos dirigentes do Caxuté, haja vista que mais uma vez foram ordeiros e respeitadores desta tradição negro-brasileira, que rememora práticas dos antigos mestres dos saberes da localidade, que outrora foram influenciados pelas práticas vivenciadas com o catolicismo.

Para finalizarmos esta matéria vejamos o depoimento de Sobodê: “Agradecer aos Mikisis e Caboclos por ter nos agraciado com mais esse momento de fortalecimento do Ngúzu, ressaltando que a Comunidade Caxuté mantém o culto aos caboclos quanto uma identidade dos terreiros da Nação Angola”. (Fonte: Comunidade Caxuté)

Confiram as fotos durante a comemoração:

tatá

Táta Luangomina cumprimentando nova membro da comunidade durante cerimonial religioso

tatá

Filhos e filhas se prostraram no chão em reverência ao nkisi Kitembu

tatá

Netas e filhos de santo do Caxuté

tatá

Transportes de alguns participantes

tatá

Táta Luangomina invocando a força da ancestral Ndandalunda incorporada em sua avó (consanguínea) Odemina

Comentários { 0 }

DISSERAM QUE GUIDINHO ESTARIA TOMANDO O PARTIDO (PR) DE JAIRO, MAS FOI UM MAL ENTENDIDO

guidoParece que Cairu acendeu a bomba da política, já no meio do pavio, porque aqui em Valença as coisas começaram a explodir. Ontem foi o dia do disse me disse. Rolou um boato que o dr Guido Magalhães Filho, gestor da Santa Casa de Valença, teria ido a Salvador para tomar o partido (PR) do vereador Jairo, partido esse que o vereador se filou a pouco mais de duas semanas com o propósito de sair candidato a prefeito por ele. A verdade é que, numa conversa por Whatsapp do Doutor com uma outra pessoa, ele confirma que estaria interessado no partido e que pra ele tanto fazia o PR ou outro partido, e que ele estaria interessado em pegar um partido.

Quem conheceu a relação de Dr. Guido Magalhães pai (in memorian) com Jairo, pode até apostar que o Doutor Guidinho jamais tentaria fazer uma coisa dessas sabendo das intenções de Jairo em ser pré-candidato a prefeito, pois o maior apoiador do vereador na política era o velho Guido (pai). Jairo ainda diz que a relação dele com o patriarca da família Magalhães era de pai e filho.

Liguei logo cedo para o dr. Guidinho e procurei saber sobre o boato, e a reação dele foi de surpresa sobre a estada de Jairo no PR. Dr. Guidinho disse que, realmente estava tentando agrupar algumas pessoas em um partido, porque esses eleitores estavam sem sigla por terem saido de um partido recentemente e alguém lhe sugeriu que ele procurasse o PR, pois é um partido da base do governo, onde o PTB (que é o partido dele) também compõe. Guidinho ainda disse que se soubesse que o partido estava no comando de Jairo, e soubesse que ele é pré-candidato a prefeito por esse partido, que ele “jamais tentaria desestabilizar a pré-candidatura de Jairo, pois conhece Jairo e sabe que ele é um homem de bem e tem todos os requisitos para ser um prefeito de Valença”.

Guidinho ainda disse que estaria ligando para o vereador para desenrolar esse mal entendido, afirmou também que não viajou dia nenhum para Salvador com esse propósito e que aquilo era apenas uma proposta a fazer ao partido (PR).

 

 

Comentários { 3 }