Archive | julho, 2013

Governo de Valença e empresários visitam Estaleiro Enseada Paraguaçu

Um investimento na ordem de R$2,6 bilhões, criação de novas demandas em 19 áreas de atuação para as terceirizadas, como caldeiraria, soldagem, serviços de tubulação, logística, transporte de carga, entre outras, além de oportunidades para fornecedores de hortaliças, frutas e verduras para o preparo dos alimentos para os empregados, geração de 15 mil empregos diretos e indiretos até 2015. Estas são apenas umas das muitas opções que uma comitiva de Valença composta por 25 integrantes de diversos segmentos empresariais do município, representados pela ACE/CDL, presenciaram nesta terça-feira (30), após visita ao Estaleiro Enseada do Paraguaçu (EEP), localizado em Maragojipe. 

A iniciativa de conhecer o projeto foi do governo de Valença, através da Secretaria da Indústria e Comércio, que pretende estabelecer um canal permanente com o projeto. De acordo com o gerente institucional do EEP, Márcio Cruz, durante a fase de construção o empreendimento já necessita do serviço de empresas terceirizadas. Ele explicou que para atender a essa demanda, os pequenos e microempresários da região estão sendo incentivados pelo Governo da Bahia, pelo Sebrae e pela iniciativa privada a buscarem oportunidades. (ASCOM/Valença)

Comentários { 4 }

SEGUNDA IGREJA BATISTA PROMOVE PALESTRA

segig

Comentários { 0 }

PROTESTANDO SEM RAZÃO

PROMEDICO O compromisso dos médicos brasileiros com a população é tão grande que se dão ao luxo de irem às ruas fazer manifestação, enquanto os seus consultórios estão cheios de enfermos

Ontem, conversando com alguns amigos sobre o boicote que os jalecos brancos (médicos) estão fazendo à vinda de médicos estrangeiros, foi que atentamos para um detalhe importante; um dos meus amigos falou que os médicos não querem a vinda desses estrangeiros, não porque eles estão fazendo o trabalho e os estrangeiros podem tirar-lhes os empregos, mas pelo fato da saúde pública estar mal, porque os médicos não querem enfrentar os postos de saúde (alegando salários baixos e falta de equipamentos) e com isso força o povo a ir às clínicas pagar as caras consultas. Quem ganha com isso são os médicos que recebem o valor dessas consultas, ganhando muito mais do que ser um médico de órgão público.

Está esclarecido o porquê desses burgueses, que foram formados pelas faculdades públicas, estarem insatisfeitos com a vinda dos médicos. Porque com certeza boa parte das pessoas que estavam pagando as consultas caras, irá para os postos de saúde para serem atendidos lá. E com isso, quem perde são eles, os médicos que já estavam acostumados a receber o nosso sacrificado dinheirinho, suado, que deveria estar sendo usado para outros objetivos.

Eu acho isso uma desumanidade o que os médicos fazem com a população, pagamos suas faculdades (pior, que na maioria quem se formou em escola pública foram os filhos de barão) sem necessidade e depois não somos reconhecidos. Até barrar a entrada de médicos que provavelmente irão dar melhores condições de saúde ao povo, eles querem.

Para com isso, senhores médicos, pensem um pouco no povo. Em todo país do mundo a saúde é uma prioridade porque os profissionais da saúde se formam sem pensarem em ser reconhecidos pelo status, mas sim, pelo profissionalismo. Só aqui no Brasil que médico, juiz e políticos querem se sentir semideuses.

Quando falo dos jalecos brancos, falo com algumas exceções, pois sei que tem muitos médicos que fazem além do que devem, temos verdadeiros humanistas que nunca se preocuparam em estar de carro bonito, do ano e mansão ou apartamentos chiques para desfilar na passarela do bisturi que só funciona para os ricos.

Comentários { 4 }

NOSSO NOVO ANUNCIANTE, CARDOSO ADVOCACIA E CONSULTORIA

adonai banner

Bel. Adonai Cardoso

– Graduado pela UNEB, campus XV (Valença/BA)

– Advogado (Eleitoral, Administrativo, Trabalhista)

– Pós-graduado em Direito Eleitoral (FUNDACEM/UPB)

– Pós-graduando em Gestão Pública, Controladoria e Auditoria de Contas Públicas Municipais (FUNDACEM/UPB)

Comentários { 1 }

KESSIA TROCOU O RÁDIO PELA AGRONOMIA

kessia Eu soube ontem, através de Ciro Pimentel, que vamos perder uma grande profissional do rádio de Valença, Késsia Campos. A moça está de malas prontas para ir a terras cruz-almense, cursar faculdade de agronomia. Que bom! Vamos perder essa competente profissional do rádio mas em compensação vamos ganhar no futuro uma engenheira agrônomo, para cuidar de nossas terras e reforçar nossa agricultura.

Parabéns Késsia, sucesso nessa nova jornada! Vai deixar uma grande lacuna na imprensa de Valença.

Comentários { 4 }

DENUNCIA DE LEITOR: Cartão postal de Valença pede socorro!

nsa I A Igreja Nossa Senhora do Amparo, foi construída em 1757 o templo dedicado a Nossa Senhora do Amparo, padroeira dos operários. No meado do século XIV, a capela foi reformada por Bernardino de Sena Madureira, que a transformou na igreja de Nossa Senhora do Amparo que por sua vez, é uma réplica da Igreja do Bonfim de Salvador. nsa II As imagens, os azulejos portugueses e as telas de autores desconhecidos representam a arte do século XVIII. Possui um relógio de 1882, ainda em funcionamento. A igreja está situada no topo da cidade, maior elevação existente com a mais bela vista de Valença e da Ilha de Tinharé, com destaque para o Morro de São Paulo.

nsa III Faz vergonha a situação atual que aquele templo se encontra. Paredes sujas pela ação do sol, dos ventos e das chuvas, iluminação semelhante a um presépio (uma lâmpada aqui, outra ali), lixo das festas que são realizadas na igreja, gramado do adro enorme, rampa de acesso a deficientes mal feita, sem contar a ausência de segurança que impede a presença dos visitantes. nsa IV Não queremos apontar dedos e condenar quem merece de fato, mais uma pergunta fica no ar: será que vocês gestores, seja prefeita, secretários, vereadores, sacerdotes, comissão de festa, devotos (as), deixam a sua residência neste estado? Nunca na história da cidade que se diz turística e religiosa, este monumento esteve neste profundo descaso. Ajuda? Há muitos séculos que sacolas passam, eventos são feitos, comícios eleitorais lá são encerrados e a cruel realidade predomina.

nsa V Pelegrini, você que é a voz daqueles que não podem falar vamos ver se quando chegar 8 de novembro de 2013, o Amparo vai estar de cara nova, agora com um detalhe que os responsáveis da gestão paroquial passada devolvam a comunidade os lustres que retiraram, os azulejos portugueses que “guardaram”, as imagens que foram registradas no IPAC de Nossa Senhora da Conceição e de Santa Efigênia que não são expostas publicamente e o principal, façam daquele patrimônio cultural um ambiente que tenha sempre manutenção permanente para que essas tristes imagens não se repitam. nsa VI Ha! Que saudade dos tempos que a CVI – Companhia Valença Industrial junto com todos os operários cuidavam com tanto zelo da casa da mãe maior dos valencianos, e não a indivíduos que chegam, saem, mandam, desmandam e viram sempre notícia.

nsa VII Pelegrini encarecidamente não divulgue o meu e-mail. Pois o fundamentalismo e a cegueira dos católicos de Valença podem querer me apedrejar igual a Maria Madalena.

Comentários { 13 }

Simpósio de Meio Ambiente é realizado pelos alunos do João Cardoso

simposio V Aconteceu na última sexta-feira, 26, na Escola Estadual João Cardoso, em Valença, o I Simpósio de Meio Ambiente. O evento organizado pelos alunos do curso técnico em meio ambiente, teve apoio maciço da direção da escola, bem como quadro docente e discente que prestigiaram o evento, além dos alunos do anexo do Guaibim e comunidade em geral.

simposio III Tendo como objetivos contribuir para a Educação Ambiental de forma consciente, não só no ambiente escolar, mas indo além dos muros, dialogando com a comunidade e buscar soluções para os problemas atuais no município e região, o Simpósio iniciou na parte da manhã tendo como convidado o poeta Otávio Mota que recitou duas poesias de sua autoria, provocando as primeiras reflexões sobre o Rio Una e sobre a Andada de Caranguejos.

simposio IV Em seguida, a primeira mesa de debate formada por Cássia Beatriz, representando a SUPROF (Superintendência de Educação Profissional da Bahia) e Tássio Menezes de Lima, professor do IFBaiano, discutiu sobre o curso técnico de meio ambiente e sua importância para o desenvolvimento sustentável local e regional. Pela tarde, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Cláudia Santos e o vice-presidente do CODEMA, Flávio Restini debateram sobre a legislação ambiental com enfoque na recomposição da mata atlântica do Baixo Sul e a política de resíduos sólidos.

simposio VI O debate continuou à noite com a presença do vereador Adailton Francisco que proferiu uma palestra cujo tema foi “Sustentabilidade Ambiental: Utopia ou realidade possível?”. Alunos também apresentaram suas pesquisas durante todo o dia, nos intervalos das palestras e debates, bem como nos stands montados em salas de aula, demonstrando uma qualidade e dedicação impressionante.

simposio II Num dos trabalhos apresentados, por uma turma que esteve pesquisando sobre a paradisíaca ilha de Morro de São Paulo, chamou a atenção o enfoque dado pelos mesmos, não aos aspectos turísticos explorados e sim, pelo contato mais direto com moradores antigos e áreas preservadas. Os alunos demonstraram preocupação com o lixão existente na ilha e a degradação de espaços como a Ilha da Saudade e Alto do Zimbo. A visita foi tão produtiva que os alunos estão montando um documentário em vídeo a ser exibido brevemente e pretendem inscrevê-lo em festivais.

simposio VII

Comentários { 1 }

Seminário discute políticas públicas de combate ao uso de drogas

Vida Sem Drogas é o tema do seminário promovido pela secretaria municipal da Promoção Social em Valença nesta quarta-feira, 31. No Centro de Cultura Olívia Barradas, em encontro que deve começar por volta das 08h da manhã e segue até às 05h da tarde, segmentos que atuam na rede de proteção e assistência social na cidade vão debater o uso de drogas na adolescência e suas consequências. Iniciativa do governo do município, o evento abre mais discussões a respeito da criação e aplicação de políticas públicas no enfrentamento da problemática.

Comentários { 0 }